Diários Associados: jornalistas discutem desrespeito aos seus direitos praticado pela empresa

Jornalistas dos Diários Associados reuniram-se em assembleia na tarde desta sexta-feira 15/4/16 para discutir encaminhamentos de ações contra a redução salarial imposta pelo grupo. Mesmo rejeitada praticamente por unimidade em plebiscito feito pelo Sindicato, resultado reafirmado em assembleia na terça-feira 12/4, a redução salarial foi imposta na marra. Os trabalhadores tiveram de assinar um “termo aditivo ao contrato de trabalho” que prevê a redução da jornada de 7h para 5h39, com mais 15 minutos de lanche, e um corte de 30% nos salários. A nova jornada já está vigorando.

O ambiente dos trabalhadores é de indignação e de abatimento diante da redução súbita dos seus vencimentos e de restrições que estão sendo ventiladas, como a passagem nas catracas de entrada e saída. O Sindicato reafirmou que a redução é ilegal e que está tomando as medidas judiciais cabíveis. O Sindicato também notificou o grupo sobre o resultado da consulta feita aos trabalhadores e deu prazo de 48 horas para que ele se manifeste.

O documento redigido pela direção dos Associados e apresentado pelos editores aos seus subordinados não fala em estabilidade nem em indenização e muito menos no pagamento de horas feitas, plantões e feriados. Os trabalhadores reagiram aos termos do texto que fala diz o ajuste é feito “de comum acordo” e “espontaneamente”. O advogado do Sindicato esclareceu os jornalistas que tudo isso é ilegal. “Um acordo coletivo só pode ser negociado com o Sindicato”, explicou.

Na semana passada o mesmo aconteceu com os editores, que foram obrigados a assinar termo de redução de jornada, o qual usava como justificativa sua “ociosidade”, embora trabalhem até dez horas por dia. O corte do salário dos editores, classificados pelo grupo como cargos de confiança, já vigora desde fevereiro e com redução retroativa dos vencimentos. Em março, eles receberam apenas 25% dos salários. Este mês, somente 70%. A jornada continua praticamente a mesma.

Os jornalistas preparam novas formas de manifestar sua oposição aos desrespeitos aos seus direitos que vêm sendo praticados pelos Associados.

(Crédito da foto: Aloísio Morais.)

 

Veja também

ALMG tem surto de covid depois de convocar todos os terceirizados, muitos sem direito a plano de saúde

Já são seis trabalhadores da área de comunicação da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (quatro ...

Um comentário

  1. Assis Chateubriand

    Pro Zeca vai ter redução?
    Ou o corte ilegal só vale pros peões?

Deixe uma resposta para Assis Chateubriand Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *