Abraji e GIJN lançam comunidade global de jornalistas que falam português

A Abraji e a Global Investigative Journalism Network (GIJN) lançaram no dia 13 de agosto a GIJN em Português, a primeira comunidade do mundo de jornalistas que trabalham em língua portuguesa. A parceria tem como objetivo fomentar e difundir técnicas, tutoriais e a produção jornalística de Portugal, Brasil, Moçambique, Angola, Cabo Verde, Timor Leste, Guiné-Bissau e Guiné Equatorial, além de outras regiões em que o português é falado.

Fundada em 2003, a GIJN é o maior centro de apoio à prática de jornalismo investigativo no mundo, com 163 organizações jornalísticas sem fins lucrativos em mais de 70 países, em todos os continentes. A Abraji é um desses membros, o único em países que têm o português como língua oficial.

A GIJN oferece de graça recursos para que jornalistas de qualquer lugar do mundo possam desenvolver investigações e trabalhos baseados em dados com mais eficiência. Cada vez mais, a rede compartilha conhecimento sobre inovação e empreendedorismo no jornalismo.

Com a parceria, a missão da Abraji será impulsionar a difusão de boas práticas, exemplos e técnicas de jornalismo investigativo para toda a comunidade lusófona, por meio de duas contas, no Twitter (@gijnportugues) e no Facebook (www.facebook.com/GIJN-em-portugues), que serão abastecidas diariamente.

Nesses perfis, serão indicados exemplos de reportagens investigativas produzidas em países que falam português. Também estarão no radar dicas e iniciativas relacionadas a jornalismo de dados; eventos, bolsas e outras oportunidades profissionais em jornalismo investigativo; bastidores de apurações; técnicas de investigação e dicas de ferramentas úteis para jornalistas; e análises sobre o mercado de mídia que impactem o jornalismo investigativo, entre outros.

Conteúdos originalmente produzidos em outras línguas também serão recomendados nas redes sociais, mas acompanhados de informações em português, uma maneira de atender quem não domina o inglês ou outros idiomas.

O saite da Abraji também trará conteúdo da GIJN traduzido pela primeira vez para o português. Até agora, a GIJN gerava conteúdos em inglês, árabe, chinês, francês, russo e espanhol.

“A troca de informações e experiências entre profissionais e organizações de diferentes países é fundamental para criar e reforçar redes supranacionais de jornalismo investigativo”, afirmou o presidente da Abraji, Daniel Bramatti. “Outro aspecto importante da parceria é a ênfase na formação e no aprimoramento profissional, algo que a Abraji incentiva desde a sua criação, em 2002.”

Para o diretor-executivo global da GIJN, jornalista David Kaplan, a atenção ao mundo de língua portuguesa era um passo natural.

“Como a sexta língua mais falada do mundo, o português é um portão de entrada vital para que possamos alcançar e integrar a redes globais os nossos colegas no Brasil, na África, na Europa e em outros locais ao redor do mundo”, explicou. “Oligarcas e criminosos se tornaram internacionais faz tempo. É hora de os jornalistas correrem atrás e criarem redes que os ajudem a se conectar para além de fronteiras e a ter acesso a dicas e ferramentas mais atuais.”

Segundo Kaplan, a presença de canais em português nas redes sociais da GIJN será o primeiro passo na oferta de vários recursos em português sobre jornalismo investigativo para profissionais de todo o mundo.

O editor da GIJN Português é o jornalista Breno Costa, que trabalhou por seis anos como repórter investigativo na Folha de S.Paulo e é fundador e diretor do BRIO. Experiente no acompanhamento e na curadoria desse universo do mercado de jornalismo e da mídia, ele concentrará esforços em levar informações relevantes e atuais para a rede da GIJN nos países de língua portuguesa.

“Hoje, infelizmente, a maioria dos jornalistas brasileiros não tem acesso a referências importantes, práticas e teóricas, sobre o jornalismo investigativo e o mercado no qual ele se insere globalmente. Nosso objetivo será o de ajudar a derrubar essas barreiras e fomentar uma cultura de mais atenção ao que se produz e ao como se produz em jornalismo investigativo”, afirmou Breno.

A GIJN em Português nasceu de uma conversa entre David Kaplan e Guilherme Amado, vice-presidente da Abraji, nos Estados Unidos, em março deste ano. Amado vem se propondo a criar maneiras de melhorar a colaboração de jornalistas brasileiros com colegas em todo o mundo.

“Compartilhamos, além da língua, uma série de outras características com os povos que também falam português”, disse Amado. “Existe um milhão de histórias esperando a colaboração entre colegas que falam português para serem contadas. Empresas que atuam em diversos desses mercados, rotas de imigração em plena atividade, semelhanças culturais e étnicas, episódios da nossa História que nunca foram explorados pelo jornalismo. Espero que a GIJN Português seja um vetor para aumentar essa colaboração.

(Divulgado pela Abraji.)
#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

[16/8/18]

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *