Assembleia em SP discute contraproposta para demitidos da Abril

Nesta quinta-feira, dia 11 de junho, os jornalistas demitidos da editora Abril no dia 2 de junho discutirão a contraposta apresentada pela empresa na tarde desta última terça-feira (9). A assembleia está marcada para as 15 horas, no auditório Vladimir Herzog. A reunião é conjunta com o sindicato dos Administrativos, cujos trabalhadores também entraram nos cortes da empresa. No total, foram dispensados 31 jornalistas e de 80 funcionários administrativos.

A editora ofereceu uma proposta escalonada de indenização de 0,75% de um salário para os que possuem de 5 a 10 anos de casa. Os que tem acima deste tempo, um salário integral. Também acenou com cinco meses de plano de saúde. A proposta das entidades, tirada em assembleia, é de proibição de demissões por três meses (estabilidade no emprego) – o que não foi aceito pela empresa; rescisão com pagamento de dois salários para os demitidos e extensão do plano de saúde aos demitidos por seis meses.

Diante deste cenário de demissões em massa, o Sindicato dos Jornalistas tem defendido empregos e salários, assim como, todos direitos trabalhistas. A defesa desta atividade se encontra nas mãos dos próprios jornalistas e de seu Sindicato, como bem mostram os últimos acontecimentos.

Em 10 semanas, 261 trabalhadores ficaram sem emprego na editora Abril, pois a empresa já havia demitido 16 jornalistas em abril e 37 em maio, que, somados com os da última semana, totalizam 84 demitidos. Já os administrativos perfazem o total de 177 (97 em abril em junho 80).

A realidade enxugamento nas redações aumenta a cada dia. Por isso, chamamos os jornalistas da Abril para virem ao Sindicato nesta quinta-feira (11), às 15 horas, para avaliarmos a contraproposta da editoria e definir o rumo de nossas ações.

(Publicado pelo portal do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo.)

 

Veja também

Nova ameaça mira funcionários da Repórter Brasil, alvo de ataques na internet

Ataques ocorrem desde 6 de janeiro; site da organização foi tirado do ar; invasores querem ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *