Brasil de Fato MG completa 5 anos e celebra com festa

Completar 248 edições e cinco anos de circulação ininterrupta numa época em que os jornais impressos definham e as verbas publicitárias públicas para a mídia alternativa se tornaram escassas. Bastava isso para o Brasil de Fato MG comemorar, mas o semanário tem outros motivos. Na sexta-feira, dia em que é distribuído, sua tiragem de 40 mil exemplares bate as de veículos tradicionais como o Estado de Minas e o Hoje em Dia, segundo o IVC; o jornal já chega a 60 cidades mineiras e, principalmente, vem vencendo, semana após semana, o desafio de criar uma comunicação popular.

A editora Joana Tavares avalia que havia demanda por um jornal popular. “O jornal é muito querido. Poucos exemplares são descartados, apesar de ser gratuito”, conta.

Quando o Brasil de Fato MG é distribuído, nas primeiras horas da manhã de sexta-feira, os leitores já estão esperando por ele. Isso se deve ao hábito criado nesses cinco anos, no qual o jornal não deixou de circular uma semana sequer, mas também ao esforço coletivo de produzir conteúdos de interesse popular.

“Temos duas grandes linhas editoriais: apresentar um ponto de vista diferente do ponto de vista da mídia comercial e dar visibilidade a problemas que são excluídos da mídia comercial”, explica a editora.

Seguindo esse caminho, o jornal trata de temas como violência, dor e corpo da mulher, por exemplo, sem transformá-los em espetáculo, sem apelar para o sensacionalismo. A cobertura política, que vai na contramão do que é produzido pela mídia hegemônica, ocupa parte importante do jornal, mas o Brasil de Fato MG se preocupa em não ficar apenas no denuncismo, segundo Joana, e busca enfoques positivos.

Por entender que os trabalhadores têm direito a uma comunicação de qualidade, o semanário diversificou sua cobertura, distinguindo-se do Brasil de Fato original, semanário de circulação nacional fundado há 15 anos. “A vida é múltipla, tem muitos aspectos importantes”, justifica a editora.

As páginas do BdF têm também espaço para cultura, esportes, televisão, saúde, culinária, palavras cruzadas e até quadrinhos. O noticiário nacional e internacional preocupa-se em ser sintético e simples, procurando esclarecedor o que sai em outros veículos, mas também o que fica de fora e interessa aos trabalhadores. “Essa é a parte mais desafiadora e mais gostosa”, diz Joana.

Ela ressalta que Brasil de Fato conquistou a periodicidade semanal num cenário adverso, em que a mídia é concentrada e a distribuição de verbas publicitárias também. Há evidente discriminação de governos contra veículos alternativos. Esta semana, por exemplo, enquanto jornais comerciais circulavam com anúncio de página inteira ou meia página divulgando a campanha de vacinação da prefeitura da capital, o BdF foi ignorado.

“A concentração da verba publicitária é um problema histórica”, ressalta Joana. “Entendemos que temos o direito de receber verbas públicas de pulicidade como os veículos comerciais”, enfatiza.

Ela acrescenta que o golpe de 2016 escancarou o papel da mídia hegemônica, que apoiou o impeachment da presidenta Dilma e foi recompensada com farta publicidade, depois. O golpe perseguiu a comunicação pública, desmontou a EBC e cortou publicidade para veículos alternativos. Ao mesmo tempo, porém, observa a editora, cresceu o interesse por um jornalismo que mostrasse outro ponto de vista.

Superando as dificuldades financeiras com o apoio de movimentos populares e sindicatos de trabalhadores, o BdF na verdade cresceu, nos últimos anos, deixando de ser apenas um jornal impresso para se tornar um sistema de comunicação, com versão na internet e páginas nas redes sociais, um programa de rádio semanal, na Rádio Autêntica Favela, e integrando uma rádio agência nacional. Além de Minas Gerais, o Brasil de Fato tem edições no Paraná, Rio de Janeiro, Pernambuco, Rio Grande do Sul e Paraíba. A edição da Bahia vai começar a circular.

Ao completar cinco anos, o BdF MG faz planos de expansão: os objetivos são aumentar a tiragem para 100 mil (o que já aconteceu em algumas edições especiais), chegar a outras cidades mineiras e ampliar sua programação radiofônica.

“O Brasil de Fato Minas Gerais é um jornal de muitas mãos. Ele expressa a vontade coletiva de movimentos sociais de construir uma comunicação popular”, define Joana Tavares. “São quinze anos de coerência, produzindo jornalismo do ponto de vista do trabalhador.”

O sucesso do BdF MG foi celebrado na sexta-feira 24/8 com uma festa no Armazém do Campo, mantido pelo MST no Barro Preto, e homenagens àqueles que todas as sextas-feiras fazem uma nova edição do jornal chegar às mãos dos leitores.

#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

(Na imagem, a capa da edição nº 248 do Brasil de Fato MG.)

[27/8/18]

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *