A reestruturação da Editora Abril

No cardápio de mudanças, uma reestruturação radical na área comercial, redução do portfólio de publicações (venda de sete títulos e descontinuação de outros três na plataforma impressa) e fim das unidades de negócios

Foram muitas as reestruturações no Grupo Abril na última década e sobretudo nos últimos anos. A mais recente, em agosto passado, já sinalizava um caminho sem volta para a empresa: enxugar a estrutura e repensar o negócio. Naquela ocasião, as medidas mais visíveis foram a entrega de metade do prédio que ocupava na Marginal Pinheiros, zona oeste de São Paulo, e a transferência de dez títulos para a Editora Caras.

Nenhuma, no entanto, teve a profundidade e a dimensão desta que acaba de ser anunciada, que transforma a sessentona Editora Abril numa jovem start-up, iniciando quase do zero seu novo posicionamento no mercado: abandona o perfil de editora que vive das receitas de suas publicações (publicidade, assinaturas e vendas avulsas de exemplares) pelo de uma empresa que vende soluções customizadas para o mercado anunciante, nelas incluídas, sim, as publicações, mas também adicionalmente tudo o que, ligado às marcas e aos conteúdos da Abril, possa atingir e impactar o público desejado e gerar benefícios aos negócios, em diferentes linguagens, plataformas e ambientes.

Já não importa para a empresa ser uma editora de revistas, ainda que a maior do Brasil e uma das maiores do mundo. Ela sabe que esse mundo está ruindo e que se não mudasse o foco dos negócios ruiria com ele e por isso decidiu dar uma guinada e uma nova forma ao seu negócio.

Ela quer e vai se empenhar em vender sua expertise e seus conteúdos sob medida para os mais de 70 milhões de consumidores que fazem parte de seu imenso e valioso banco de dados, agora transformado em Abril Big Data, ou ABD. E o fará a partir do uso inteligente desse banco, vendendo soluções sob medida para a audiência desejada, ou seja, para o perfil de público que o anunciante quer atingir, e nas linguagens, plataformas e frequência desejadas.

Nesse novo posicionamento não há necessidade de tantos títulos, pois o que importa é a múltipla capacidade de negócios e a rentabilidade do portfólio mantido.

A prova maior do novo olhar de mercado da Editora Abril é que a empresa está se despedindo de outros dez de seus tradicionais títulos, sete deles vendidos para a Editora Caras, esta, sim, apostando nesse mercado, talvez por conseguir custos de produção mais competitivos (os títulos que para lá migram são Contigo, Placar, Você S/A, Você RH, Tititi, Ana Maria e Arquitetura & Construção) e três descontinuados na plataforma impressa (Exame PME, que volta a ser coberta pela nave mãe Exame; Capricho, que passa a ser exclusivamente digital, como seu público de jovens garotas nativas digitais; e o Guia Quatro Rodas, cujo conteúdo será absorvido pelas Vejinhas e por Viagem e Turismo).

Pelo que apurou o Portal dos Jornalistas, os dez títulos que deixam o portfólio da Abril tinham pouco menos de 100 profissionais. Mas estima-se que deixam a empresa cerca de 2% de seus atuais seis mil funcionários, o que totalizaria 120 demissões. As equipes dos títulos ora comprados pela Editora Caras devem, em tese, seguir para a nova empresa, caso obviamente haja acordo entre as partes. Há ainda a interferência do Sindicado dos Jornalistas no processo, buscando evitar novas demissões a partir da mobilização dos profissionais e de negociações com a empresa. Somente nos próximos dias é que se terá um cenário mais claro sobre o impacto real das mudanças.

Foram quase quatro meses de um profundo mergulho da equipe liderada pelo presidente Alexandre Caldini e da consultoria que apoiou a empresa naquilo que eles entendiam deveria ser a Abril do futuro. E apenas nas duas últimas semanas é que os formatos finais – ou os nomes das caixinhas – foram definidos.

“Quando fui chamado de volta pela Abril”, conta Caldini, “tinha dois desafios: o primeiro era arrumar a casa e o segundo, reestruturar a empresa direcionando-a para o futuro. Fizemos a adequação da estrutura inicialmente e agora partimos para alterar de forma radical o mindset da empresa. E o fizemos partindo do zero, pensando de fato uma nova estrutura de negócios para a empresa. Uma estrutura compatível com o novo tempo, com os novos hábitos de consumo, com as novas e revolucionárias tecnologias”.

De fato, essa nova Abril tem pouco ou quase nada a ver com a Abril de até agora, a não ser pela marca de excelência que sempre a caracterizou, desde que aqui chegou, nos anos 1950.

Três pilares

Os três pilares em que ela passa a se apoiar são Receitas, Marketing e Conteúdo, sendo que as mudanças mais radicais atingem a de Receitas, que deixa de se ater exclusivamente à comercialização de publicidade por núcleo editorial e passa a vender soluções em toda a audiência da Abril, em produtos existentes ou nos que venham a ser criados. E aí todo o trabalho de reciclagem profissional será conduzido pela Universidade de Vendas Abril.

Receitas, aliás, é a unidade que controla todo o faturamento da Editora (publicidade, assinaturas, vendas avulsas, e-commerce, digital e eventos), conforme informa o comunicado distribuído pela empresa na tarde desta 3ª.feira (2/6).

Diz o comunicado: “Essa unidade será comandada por Rogério Gabriel Comprido, que assume a posição de diretor Comercial. Gabi, como é conhecido, terá no seu time duas lideranças: Virginia Any e Dimas Mietto. Virginia será responsável por toda a receita publicitária da Abril, assumindo a posição de diretora de Vendas de Publicidade. Respondem a ela gestores focados nos seis principais segmentos de mercado – Bens de Consumo; Financeiro; Moda, Decoração e Construção; Saúde, Educação, Cultura, Lazer e Esporte; Tecnologia, Serviços Públicos e Sociais; Transporte e Mobilidade; além dos escritórios regionais e da área internacional. Cada um desses gestores de segmento tem por missão conhecer profundamente o setor, seus desafios e seus principais players. A ideia é que a Abril, conhecendo as necessidades desses clientes, possa atendê-los de forma diferenciada, flexível e, sobretudo, eficiente, em diversos formatos, mídias e linguagens. Dimas assume a posição de diretor de Vendas para Audiência. Ele será responsável por toda a receita originária dos consumidores Abril. Estão sob sua responsabilidade as áreas de Assinaturas, Vendas Avulsas, Venda de Acervo e e-commerce. Continuam a responder a Dimas todos os diretores dos canais de assinaturas, além de dois gestores responsáveis por vendas avulsas”.

“Será um trabalho de fôlego, porque mexerá com a cultura de nosso time atual de vendas, mas em alguns meses creio que estaremos afinados com esse novo posicionamento, pois ele é coerente com o que as empresas buscam. E se isso é o que mercado quer, isso é o que teremos de oferecer”, assinala Caldini.

A Unidade de Marketing será comandada por Tiago Afonso, que assume a posição de diretor de Marketing. Afonso terá a responsabilidade de gerenciar o portfólio de marcas e produtos e identificar tendências de mercado. Respondendo a ele estarão os gestores das marcas e as áreas de Informações para o Mercado, Abril Big Data (ABD) e Serviços de Marketing e Eventos.

O núcleo Editorial assume um formato muito mais simples que os das UNs – Unidades de Negócios que por anos dominaram a cena nas redações da Abril e que a cada período passavam por mudanças, com revistas migrando de um núcleo para outro, cada vez com um lógica própria. Na nova estrutura são quatro os grupos editoriais: Veja, conduzido por Eurípedes Alcântara (que perde as Vejinhas); Exame, sob o comando de André Lahoz; Femininas (Boa Forma, Claudia, Capricho.com, Casa Claudia, Claudia, Cosmopolitan, Elle, Estilo e a plataforma digital M de Mulher), com Paula Mageste; e Lifestyle (Brasil Post, Elástica, Guia do Estudante, Info.com, Men’s Health, Mundo Estranho, National Geographic, Playboy, Quadrinhos, Quatro Rodas, Saúde, Superinteressante, Veja SP, Veja Rio, Viagem e Turismo, VIp e Women’s Health), com Alecsandra Zaparolli. Todos passam a se reportar diretamente a Victor Civita Neto, presidente do Conselho Editorial.

Com as mudanças, acontecem dois movimentos importantes e estratégicos: 1. Os diretores editoriais passam a se concentrar exclusivamente no seu papel de produção de conteúdo editorial e nas relações entre as marcas e suas comunidades; 2. Todas as redações da Abril passam a trabalhar com total convergência na produção de conteúdo on e offline, em diversos formatos de texto, audiovisual e eventos.

Adicionalmente, essa estrutura da Abril contempla uma nova unidade operacional: o Estúdio ABC (de Abril Branded Content), dirigido por Edward Pimenta e que tem entre seus gestores Kátia Militello, em Negócios e Tecnologia, Dagmar Serpa, em Comportamento, Medicina e Saúde, e Matthew Shirts, no Planeta Sustentável. O Estúdio ABC atuará na coordenação, atendimento e produção de conteúdos customizados, como native advertising ou qualquer outro tipo de content marketing, em todos os formatos, incluindo uma estrutura exclusiva para a produção de vídeos.

Nesse novo posicionamento da Abril, as três unidades criadas (Conteúdo, Marketing e Receitas) respondem ao presidente Alexandre Caldini. Já a linha editorial segue ligada ao Conselho Editorial, formado por Victor Civita Neto (presidente), Thomaz Souto Corrêa (Vice-Presidente), José Roberto Guzzo, Giancarlo Civita e Eurípedes Alcântara.

A área Digital & Mobile permanece ligada diretamente a Caldini, sob o comando de Sandra Carvalho, que tem como missão garantir a execução da estratégia digital e apoiar tecnicamente a produção e a distribuição de conteúdo para clientes. Também Casa Cor segue respondendo diretamente ao presidente, com Lívia Pedreira à frente do negócio.

(Publicado pelo Portal dos Jornalistas, em 3/6/15. )

 

 

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *