Jornalista de alma e coração, por Clara Arreguy

Por que será que a gente fica velha, com cabelo branco, e não perde a insegurança na hora de falar com seus pares? É o meu caso. Convidada pelo Ivan Drummond pra escrever neste espaço incrível do sindicato, fiz uma crônica enorme em que contava praticamente toda a minha vida profissional, mas sem nem um dos elementos com que sempre procuro rechear esse tipo de texto: humor e/ou poesia. O relato não tinha uma coisa nem outra. Mais parecia relatório, mesmo. Cancelei-o.

Agora, imbuída do espírito da cronista alegre e de bem com a vida, me sento pra cumprir o compromisso com o Ivan e dou de cara com a notícia estarrecedora: Déa Januzzi morreu. Não bastava um ano tão atípico como esse Vinte que estamos vivendo, com pandemia e o país em chamas, não bastava a onda fascista a varrer, qual incêndio no Pantanal, os corações e mentes de gente que já foi de bem, ou será que nunca foi? Não bastava tudo de ruim que vem acontecendo no Brasil e no mundo, e ainda temos que conviver com perdas de companheiros tão próximos e queridos.

Nossa profissão é mesmo de risco, e não apenas pela perseguição dos fascistas com poder e sem poder, não apenas pela falta de suporte das próprias empresas jornalísticas, não apenas por colocar na mira das armas, agora liberadas, repórteres, fotógrafos, cinegrafistas, equipes de todas as mídias. Nossa profissão é de risco porque os bons jornalistas, como Déa Januzzi, têm coração, têm alma, e ela sofre quanto melhor eles exercem o ofício.

Pensava que já tinha me acostumado a conviver com a perda e a morte desde que entrei pra profissão, pelas mãos do querido Mauro Werkema, primeiro na Fundação Clóvis Salgado, depois no Estado de Minas. Mas não. A cada nome que dava baixa na redação, novo luto, novo aprendizado pra lidar com a dor e com o fechamento ao mesmo tempo, sem perder o deadline.

Lembro-me quando perdemos a Edmeia. O Marco Antônio. O Geraldo Magalhães. O Carlos Cobra. O Ricardo Gomes Leite. Aí veio Roberto Drummond, numa noite inesquecível em que Ivan Drummond e eu tivemos que mandar parar as máquinas, porque era plantão da madrugada durante a Copa do Mundo de 2002.

Depois que saí do EM e vim pra Brasília, ainda recebi os mais dolorosos dos telefonemas me informando que Mário Sérgio Brant e Marcello Castilho Avellar também tinham se encantado. Mas aqui no Correio Braziliense não era diferente, então, pouco tempo depois que assumi a editoria de Cultura, perdemos meu subeditor, Natal Eustáquio, vítima de câncer. Um querido diagramador, de acidente de carro. E um subeditor de Cidades, num sábado: saiu do plantão, foi pra casa, entrou no banho e teve um AVC fulminante. Não veio pro plantão de domingo.

Agora, Déa Januzzi, que outro dia mesmo escreveu nesse espaço uma de suas crônicas belas e importantes, em que inverte o conceito de poder: “Descobri que o poder de tomar outro caminho quando for preciso é o maior de todos os poderes, capaz de curar dor de cabeça e coluna torta, estresse e ansiedade. O poder de mudar de rumo, de ser dona do próprio corpo, senhora de mim, de arbitrar sobre a própria vida e mudar tudo no segundo tempo, sem prorrogação. O poder de virar tudo de pernas para o ar, de abrir o baú da memória. Ou de jogar tudo fora. A alma não suporta lixo”.

Que belo texto tinha a Déa! Que sabedoria! Que consciência de seu valor como profissional, mãe, mulher, voz de tantos e tantas. Amiga, personagem do jornalismo, da cidade. Um ícone de uma geração, como disse antes, que fazia jornalismo com alma e coração. Hoje não dá pra fazer crônica com gracinha e poesia. Hoje choro. Perdemos mais uma importante figura da nossa história, da nossa memória, da nossa caminhada nessa nossa profissão de risco. Déa Januzzi, para sempre presente!

 

[6/11/20]

 

Veja também

Menti para Maradona

Ano, 1994. Fui escalado pelo Estado de Minas  para cobrir Boca Juniors x Cruzeiro, pela ...

5 comentários

  1. Clarinha tantas despedidas… A nossa profissão é penosa e de muito risco. Será que estamos preparados par tantos acontecimentos, tantos companheiros que nos deixam. Inevitável, temos que nos reconhecer como seres mortais. Senão sempre viveremos de sobressaltos como este. Amiga, boa sorte, sus dedicação os amigos é importante. Viva bem.

  2. E Son Salvador, Wilke, Cláudio Martins, Huron Brandão, Luís Fernando Perez, aí meu coração…. Você tem toda razão, Clara querida, não dá pra gente se acostumar não. Mas temos alma, temos coração e não vamos parar de nós indignar jamais. Gratidão, amiga.

  3. Isso Clarinha. A Déa não sabia que tinha também o poder de encantar e o de trazer suas linhas carinhosas a este espaço. É a ciranda da vida. Bem-vinda. Nunca vamos esquecer os sonhos da Déa. Nem podemos. Porque a são também nossos. Sonhos de liberdade e de querer ser, eternamente, amantes das palavras.

  4. Gratidão pela homenagem. Mãe teve uma plenitude de viver que espero alcançar um dia, espero que todos um dia possamos ter essa força do amor como ética geral de convívio. Lutadora. Guerreira. Mãe, mulher e liberta das bolhas que nos acostumaram e colonizarão gerações de humanos e brasileiros. Principalmente as mulheres. Com as palavras e suas ações, Déa se manteve livre em todos os contextos de opressão e conseguiu deixar o legado do amor revolucionário. Vamos caminhando nessa nossa mãe terra, agora iluminados pelo encantamento e luz que ela se tornou. Sempre que olho ao meu redor vejo vida amor e beleza. É difícil mantermos no cotidiano das mentiras e violências que estão ao nosso redor, esse amor como primeira ordem de convívio, mas juntos venceremos a batalha pela continuidade da vida na terra. Salve Déa Januzzi! Salve Clara. DÉA JANUZZI PRESENTE! Quem Ama Não MAta. Beijos no coração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *