‘Live’ do SJPMG aborda questões trabalhistas urgentes dos jornalistas. Veja

A presidenta Alessandra Mello e o advogado Luciano Marcos, mediados pela repórter Edilene Lopes, participaram de live do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais, nesta quarta-feira 1/7. Durante uma hora de 45 minutos, eles esclareceram dúvidas sobre o trabalho dos jornalistas nas novas condições provocadas pela pandemia de covid-19, responderam a perguntas do público e colocaram a categoria a par da Campanha Salarial 2020-2021.

Alessandra ressaltou a importância dos jornalistas comunicarem o Sindicato sobre todos os problemas que aparecem, para ele possa atuar, ajudando a resolvê-los. E reforçou mais uma vez a necessidade de todos se sindicalizarem e pagarem sua anuidade, pois o Sindicato não tem outra fonte de receita e depende dos jornalistas para pagar suas despesas, depois da reforma trabalhista. “O Sindicato somos nós”, enfatizou. “Se não pagarmos a anuidade, o Sindicato vai deixar de existir.”

O bate-papo em torno das variadas dificuldades vividas pela categoria nos últimos anos, e agravadas pelo contexto da pandemia, mostrou como a atuação do Sindicato é importante para defender os direitos dos jornalistas. Várias empresas jornalísticas estão se aproveitando da situação para descumprir a legislação e mesmo as Medidas Provisórias 927 e 936, que retirou direitos trabalhistas, estão sendo fraudadas.

Uma das dúvidas mais comuns se refere ao teletrabalho. Muitos são os relatos de jornadas de trabalho que excedem as horas previstas pela legislação. Luciano esclareceu que o teletrabalho não pode criar uma condição de trabalho semelhante à de escravidão e orientou os jornalistas a documentarem a extensão da sua jornada de trabalho.

Durante a live também foi citado um exemplo de luta dos jornalistas na pandemia. Diante do não pagamento de salários a muitos trabalhadores do jornal Estado de Minas, a redação, em teletrabalho, decidiu deixar de atender o telefone, enquanto a situação não fosse normalizada.

Alessandra e Luciano ressaltaram também a necessidade da categoria pressionar para retomada das negociações da Campanha Salarial, interrompidas pelos patrões, que alegam como desculpa a pandemia. A vigência de Convenções e Acordos garante os direitos dos jornalistas que vão além daqueles previstos na legislação trabalhista.

Assista ao vídeo e saiba todos os pontos abordados no bate-papo.

[1/7/20]

Veja também

SJPMG e Fenaj repudiam agressões a repórter da TV Integração em Prata (MG)

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais e a Federação Nacional dos Jornalistas vêm ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *