Em debate, deputados, jornalistas e especialistas apontam falhas no PL das ‘fake news’

Deputados federais envolvidos nas discussões sobre o combate à desinformação defenderam, no dia 20/7/20, a necessidade de regulação para combater conteúdos falsos, mas reconheceram que o texto atual do PL das fake news abre brechas perigosas e pode violar direitos constitucionais. O debate virtual foi promovido pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e a Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político (Abradep).

O webinar “PL das fake news: o que muda no jornalismo investigativo” faz parte de uma série de discussões que a Abraji vem promovendo sobre o PL 2630/2020, aprovado pelo Senado e em discussão na Câmara dos Deputados.

Participaram Vânia Aieta, coordenadora geral adjunta da Abradep; Carla Maria Nicolini, membro da Abradep; Diogo Rais, CEO do Instituto Liberdade Digital e membro da Abradep; Marcelo Träsel, presidente da Abraji; além dos parlamentares Margarete Coelho (Progressistas-PI), Orlando Silva (PCdoB-SP) e Lídice da Mata (PSB-BA). A mediação foi conduzida por Patrícia Campos Mello, diretora da Abraji e repórter especial da Folha de S. Paulo.

Ao abrir o evento, o deputado Orlando Silva informou que a Câmara deve votar o mais breve possível o projeto, mas reconheceu ser necessário fazer um debate mais amplo, com cautela. Ao ser questionado sobre o dispositivo do PL que estabelece o rastreamento dos dados em massa dos usuários de aplicativos de mensagens, admitiu ser um ponto sensível e crítico, mas que os parlamentares estão ouvindo representantes da sociedade, por meio de audiências públicas semanais.

Indagada por Patrícia Campos Mello se há mesmo necessidade de criar uma nova lei para debelar a desinformação, Margarete Coelho, deputada federal pelo Progressistas-PI e parte da Frente Parlamentar Mista pelo Pacto contra as Fake News, disse apoiar a regulamentação. No entanto, ponderou que um marco regulatório da desinformação na internet precisa equacionar os abusos e excessos e, ao mesmo tempo, garantir individualidade, privacidade, livre expressão do pensamento e liberdade de expressão. “Uma lei não é nem vai ser nunca uma bala de prata”, afirmou Coelho.

Lídice da Mata, relatora da CPMI das Fake News, ressaltou que o texto do projeto precisa incorporar dispositivos excluídos no Senado, como a responsabilização de quem financia os conteúdos falsos, o chamado “follow the money”. “As fake news na pandemia fizeram com que o projeto chegasse ao Senado. Podemos criticar, mas houve avanços. A desinformação passou a ser uma questão da sociedade brasileira”, declarou.

O presidente da Abraji, Marcelo Träsel, reconheceu que a questão da desinformação é grave, mas defendeu um maior tempo para análise do PL, por causa da pandemia. “A Abraji não é contra uma discussão sobre como debelar a pandemia da desinformação. Mas gostaríamos que o Congresso tivesse sensibilidade para conduzir uma discussão mais qualificada sobre o tema”, explicou.

Clique AQUI para ler a íntegra.

Clique AQUI para ver o vídeo.

(Publicado pelo Abraji.)

[21/7/20]

 

Veja também

TV Integração divulga nota sobre agressões a repórter em Prata

O Grupo Integração, proprietário da TV Integração, emitiu nota nesta sexta-feira 30/10 lamentando as agressões ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *