Twitter impõe proibição global da propaganda política na sua plataforma

O líder da empresa, Jack Dorsey, diz que a decisão busca evitar os “riscos” trazidos pelos algoritmos para o debate público.

Pablo Ximénez de Sandoval, El País , Los Angeles, 31/10/19

A rede social Twitter, um dos maiores símbolos de como a Internet mudou as regras da política em todo o mundo na última década, proibirá a propaganda política na sua plataforma. O anúncio foi feito pelo fundador e executivo-chefe da empresa, Jack Dorsey, numa série de mensagens nas quais argumentava que “o alcance de uma mensagem política deveria ser algo que se ganha, não que se compra”. A decisão é radicalmente oposta à atitude do Facebook, que há poucas semanas deixou claro que admite disponibilizar suas ferramentas para qualquer campanha, sem assumir a responsabilidade por eventuais desinformações.

“Uma mensagem política ganha influência quando as pessoas decidem seguir uma conta ou retuitá-la. Pagar para ter mais alcance elimina essa decisão e obriga as mensagens políticas a serem otimizadas e direcionadas. Acreditamos que esta decisão não deveria ser condicionada pelo dinheiro”, diz Dorsey.

“Embora a publicidade na Internet seja incrivelmente poderosa e muito efetiva para os anunciantes comerciais, esse poder acarreta riscos importantes na política, onde pode ser utilizada para influenciar os votos e afeta a vida de milhões de pessoas”, prossegue o executivo do Twitter.

A evidência de que redes sociais como Twitter e Facebook são um novo ator no discurso político, com uma influência que pode chegar a mudar o rumo de países inteiros em pouco tempo, se tornou patente em 2016. Naquele ano o mundo assistiu ao triunfo eleitoral de três movimentos que surpreenderam a política tradicional: a candidatura presidencial de Donald Trump, a campanha pelo Brexit e a campanha contra o acordo de paz na Colômbia. Todas elas conseguiram mobilizar bolhas muito específicas, que as redes permitem identificar com precisão cirúrgica, e cujas intenções não são detectadas no radar das pesquisas e da política mainstream.

Clique AQUI para ler a íntegra da matéria.

(Crédito da foto: Carlos Rosillo / El País.)

 

#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

[31/10/19]

 

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *