Estatuto pode resguardar Rádio Inconfidência e Rede Minas de privatização

Empresa Mineira de Comunicação não possui firmeza jurídica e setor pressiona para que Pimentel aprove estatuto.

Rafaella Dotta, Brasil de Fato. Edição: Joana Tavares.

As ameaças a nível federal fizeram acender um alerta também em terras mineiras. No estado existe a Empresa Mineira de Comunicação, semelhante à Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), e que a partir de janeiro estará sob mando do governador eleito Romeu Zema (Novo). O político declarou em campanha que irá privatizar todas as empresas estatais, com exceção da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig).

A Empresa Mineira de Comunicação é composta principalmente pela Rádio Inconfidência e pela TV Rede Minas, com um total de 520 funcionários. Em 2017 os dois veículos executaram um orçamento de R$ 11,5 milhões. A verba custeou a mudança de endereço das emissoras, que agora funcionam conjuntamente, e teve reflexo no aumento de 100% da programação da TV Minas.

O calcanhar de Aquiles da EMC é sua fragilidade jurídica, acredita Aloísio Lopes, do comitê mineiro do Fórum Nacional de Democratização da Comunicação (FNDC) e representante da sociedade civil no Conselho Curador da TV Minas. Uma proposta de estatuto está pronta e aguarda aprovação da Casa Civil do governo de Minas, para depois ser enviada ao governador Fernando Pimentel (PT). Com o estatuto em mãos, a privatização e o uso político da empresa poderiam ser mais difíceis.

“Lamentamos que o governo não tenha ainda concluído a unificação das duas emissoras numa só estrutura. Nem o conselho curador da futura EMC foi regulamentado, porque o governo atual não publicou o estatuto da emissora”, declara Aloísio. O conselho curador é o órgão que, sendo metade composto pela sociedade, poderá decidir os programas e os conteúdos da rádio e da TV.

Saídas financeiras

O presidente da EMC, Elias Santos, lembra que o estatuto pode ajudar ainda na sustentação econômica da empresa. “A Rádio Inconfidência é uma rádio pública, mas a concessão dela é de rádio comercial. A gente tem a possibilidade de vender o nosso espaço [propaganda]”, diz o presidente, que é um entusiasta também de parcerias para campanhas sociais, em que uma entidade possa investir verba na EMC.

Elias lembra que a lei para empresas públicas, nº 13.303, prevê a obrigatoriedade de um estatuto e que a EMC está em incompatibilidade com a legislação. “Claro que há uma mudança de governo, se não aprovar esse que seja outro [estatuto]”, reafirma. Ele adianta que para 2019 a empresa trabalha para diminuir custos através de mudanças administrativas e sem corte de pessoal.

Resposta

O governo Pimentel informou que a apreciação do estatuto está em curso, “seguindo os trâmites normais que antecedem a aprovação de normas regimentais”. Afirma que o assunto está sendo tratado com atenção, mas que não há prazo para concluir.

(Publicado pelo Brasil de Fato.)

#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

[20/12/18]

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Um comentário

  1. Luiz Ferreira Silveira

    Sou a favor da privatização da Rádio Inconfidência e a Rede Minas de Televisão. Estado não tem que ter bancos e , muito menos , veículos de comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *