Sindicato estuda medidas contra o banco de horas abusivo do jornal O Tempo

O Sindicato está estudando medidas jurídicas contra o abusivo banco de horas do jornal O Tempo. Um cálculo preliminar apontou mais de 8 mil horas extras feitas pelos jornalistas em apenas duas editorias. É flagrante o desrespeito à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT).

A situação é antiga. O levantamento feito pelo Sindicato é parcial e anterior à entrada em operação da Rádio Super. O lançamento da emissora agravou o problema. Mais de 90% dos jornalistas têm horas extras a receber. A empresa não paga as horas extras previstas na CCT e nem dá a compensação em folgas.

Considerando os baixos salários e a jornada excessiva, o trabalho nos jornais O Tempo, Super, Pampulha, portal O Tempo e Rádio Super é uma volta ao século XIX, quando os trabalhadores não tinham ainda conquistado a limitação da jornada de trabalho e o salário mínimo. Há jornalistas que estão trabalhando mais de 10 horas por dia, semana após semana, sem sequer o descanso semanal obrigatório.

Os trabalhadores não aceitam esta situação e estão dispostos a reagir. O Sindicato já está tomando providências na justiça para defender os jornalistas.

[12/9/17]

Veja também

SJPMG repudia ataques a jornalistas por vereadora de Bom Jesus do Amparo

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais vem a público repudiar os ataques feitos ...

2 comentários

  1. O sindicato deveria olhar a Rádio Inconfidência. A emissora tem usado estagiários de forma abusiva, ao invés de fazer um novo concurso público ou contratação por meio de terceirização a administração da Rádio tem suprido as vagas de jornalistas e radialistas com estagiários. Essa prática caracteriza (ou deveria) exercício ilegal da profissão, retira a vaga dos formados com estudantes com mão de obra com custos infinitamente inferior. A qualidade da emissora estatal despencou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *