Truco, da Agência Pública, vai checar as eleições municipais em BH e mais quatro cidades

A Agência Pública vai cobrir as eleições municipais em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife e Belém com o projeto de fact-checking Truco Eleições 2016: http://apublica.org/truco2016/. O projeto tem também conta própria no Twitter, @truco, que será alimentada constantemente com as checagens das cinco cidades. No Facebook, a divulgação será feita pela página da Pública: https://www.facebook.com/agenciapublica. Veículos interessados em reproduzir o conteúdo do Truco Eleições 2016 devem se cadastrar preenchendo formulário que pode ser acessado clicando aqui.

É a primeira vez que a Agência Pública cobre eleições municipais. Inaugurado nas eleições presidenciais de 2014, o projeto Truco passou a checar permanentemente as falas dos parlamentares, a partir de 2015, com o Truco no Congresso, e agora checará as campanhas dos candidatos a prefeito e vereador.

Assim como no jogo de cartas que dá nome ao projeto, o Truco desafia os candidatos a mostrar suas cartas. Os objetivos são exigir dos políticos informações embasadas e estimular o público a discutir e questionar os dados divulgados pelas campanhas. Serão checadas informações ditas pelos candidatos e suas campanhas, seja durante a propaganda eleitoral ou em entrevistas. O projeto classifica a informação de acordo com as cartas do Truco (veja abaixo).

As equipes do Truco vão identificar as informações a serem checadas, entrar em contato com as assessorias dos candidatos para verificar qual é a fonte da informação usada e confrontá-la com bancos de dados e fontes alternativas. Os candidatos têm até o final do dia para dizer qual é a fonte do dado que será checado. Em alguns casos, as campanhas receberão o Truco, que é um desafio público para esclarecer determinada informação. O prazo para responder é de 24 horas.

Equipes locais

A coordenação geral do projeto está por conta de Marina Amaral, co-diretora da Agência Pública. Em Belo Horizonte, o Truco conta com uma equipe de repórteres comandada por Bruno Fonseca, repórter multimídia e infografista da Pública. Telefones: (31) 3564-8250 e 9-9107-7848.

Em São Paulo, as checagens serão feitas pela redação da Agência Pública, coordenada por Maurício Moraes, editor do Truco no Congresso. No Rio, a sede do trabalho será a Casa Pública, centro cultural de jornalismo mantido pela Pública na cidade, coordenada por Natália Viana, co-diretora da Agência.

Em Recife, o parceiro da Pública é o Marco Zero (http://marcozero.org/), coletivo de jornalismo investigativo e independente que foca sua produção em três pontos principais: questões urbanas, semiárido nordestino e relações de poder. Em Belém, o parceiro é o Outros 400 (http://outros400.hostbelem.com.br/), portal de notícias que busca produzir novos formatos de comunicação, como o Infografite, projeto que imprime nas ruas em forma de arte informações quantitativas e qualitativas sobre os problemas da cidade.

Assim como nas eleições de 2014 e no projeto permanente que checa o Congresso, o Truco Eleições 2016 tem sua identidade visual composta por desenhos de cartas de baralho. A novidade é que a Pública chamou artistas regionais para fazer as artes de cada cidade, reforçando a identidade local.

As cartas do Truco

Truco! – Informações insustentáveis e promessas grandiosas, sem explicação de como serão implementadas. O Truco! é um desafio público para que o candidato responsável pela frase dê mais explicações ao eleitor. As respostas obtidas serão divulgadas assim que a campanha responder.

Blefe – A informação é falsa. São usados dados de outras fontes – de preferência independentes – e auxílio de especialistas para confrontar a versão apresentada.

Não é bem assim – Informações exageradas, distorcidas ou discutíveis.

Tá certo, mas pera aí – Informações corretas mas que merecem ser contextualizadas. Existem mais dados que o eleitor precisa saber do que os que foram apresentados durante o programa eleitoral.

Zap! – Informações corretas e também relevantes ditas pelos candidatos. Para isso, são apresentados números que confirmam e expandem o que foi falado.

Candidato em Crise – A frase contradiz declarações ou ações anteriores do próprio parlamentar. Investigamos e trazemos todas as evidências para comprovar.

Sobre a Agência Pública

Fundada em 2011, a Agência Pública é uma iniciativa de jornalismo independente sem fins lucrativos focada na produção de reportagens investigativas distribuídas mais de 70 republicadores. Todo o conteúdo pode ser livremente reproduzido sob a licença Creative Commons. Sua missão é a produção de material jornalístico pautado pelo interesse público – visando ao fortalecimento do direito à informação, à qualificação do debate democrático e à promoção dos direitos humanos. Além de ser financiada através de campanhas de crowdfunding, a Agência Pública tem como parceiros fundações que investem na democratização da mídia como a Fundação Ford, Open Society e a OAK Foundation.

(Com informações da Agência Pública.)

25/8/16

Veja também

Câmara de Aracaju aprova exigência de diploma para jornalistas no poder público municipal

A Câmara Municipal de Aracaju (SE) aprovou por unanimidade nesta quarta-feira 21/10, em sessão remota ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *