Ivan Drummond ganha Prêmio Petrobras de Jornalismo com série sobre Hilda Furacão

O repórter Ivan Drummond ganhou o Prêmio Petrobras de Jornalismo, na categoria Reportagens Culturais Jornal e Revista, com a reportagem “A verdadeira Hilda Furacão vive num asilo na Argentina”. A série, publicada entre 27 e 31 de julho de 2014 no jornal Estado de Minas, mostra a inspiradora da obra homônima do escritor Roberto Drummond, localizada pelo repórter em Buenos Aires.

Ivan recebeu o prêmio nesta terça 24/5, em solenidade no Rio de Janeiro e ficou surpreso com a premiação numa categoria nacional. “Assustei, achei que era na categoria regional”, contou o jornalista, que tem vários prêmios regionais, mas até então tinha só uma menção honrosa em categoria nacional, num prêmio do Tribunal de Contas da União, em 1984.

Desde a publicação do livro, e ainda mais com sua transformação em minissérie, na Rede Globo, Hilda Furacão era uma incógnita e provocava indagações. Ela existiu realmente ou era só criação do escritor mineiro? O repórter, que seguia os passos de Hilda desde 2003, encontrou-a num asilo em Buenos Aires, solitária, aos 83 anos, passando os dias numa cadeira de rodas e mantida pelo governo portenho. Conversou com ela e constatou que nos momentos de lucidez lembrava-se de Belo Horizonte, da Praça Sete, do Cine Brasil e de outros lugares da capital. Quando falava do falecido marido Paulo Valentim, jogador de futebol do Atlético, Botafogo e Boca Juniors, tinha as melhores recordações.

A história desse encontro, em detalhes, foi narrado na série publicada pelo jornal, que contou também a verdadeira vida de Hilda, acompanhando a carreira do jogador famoso, viajando mundo afora, nas décadas de 1950 e 1960. Paulinho, que morreu há 30 anos, foi ídolo do Boca Juniors e o casal frequentou festas promovidas pelo ex-presidente argentino Juan Domingo Perón. Quando foi localizada, Hilda sofria do mal de Alzheimer.

Jornalista desde 1979, Ivan Drummond ganhou antes o Prêmio Esso, duas vezes, na categoria regional, em 1985 e 1987, juntamente com a equipe da Editoria de Polícia do Estado de Minas, o Prêmio de Jornalismo Promotor de Justiça Chico Lins e o Prêmio Délio Rocha de Jornalismo de Interesse Público, concedido pelo Sindicato.

O Prêmio Petrobras 2015 teve 1.255 reportagens inscritas, de todas as regiões do país, em 34 categorias. O Grande Prêmio Petrobras contemplou o jornalista gaúcho Carlos Rollsing, do jornal Zero Hora, pela reportagem “Inferno na Terra Prometida”, produzida em parceria com Mateus Bruxel e que relatou a realidade vivida pelos imigrantes haitianos e no Brasil.

(Foto: arquivo de Ivan Drummond, reproduzida do Estado de Minas.)

 

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *