Dispensa em massa no jornal Hoje em Dia: Ministério do Trabalho marca reunião de mediação para sexta-feira 4/3

Por solicitação do Sindicato, o Ministério do Trabalho marcou para a próxima sexta-feira 4/3, às 12h30, uma reunião de mediação para tratar da dispensa em massa ocorrida ontem 29/2 no jornal Hoje em Dia. O Sindicato também vai acionar o Ministério Público do Trabalho para tratar das demissões. Além das demissões, a mediação tratará do atraso no adiantamento dos salários, que deveria ter sido pago no dia 20 de janeiro, e do não pagamento das férias no prazo determinado por lei, que é de 48 horas antes do início das férias.

O Hoje em Dia demitiu 40 jornalistas, cerca de metade da sua redação, o que caracteriza dispensa em massa e, por lei, não pode ser feito sem a intermediação do Sindicato. Nenhuma comunicação prévia foi feita ao Sindicato. Trabalhadores que estavam de folga foram procurados em casa pela empresa. Alguns, em férias, estão sendo pressionados a ir à empresa assinar o aviso, o que é totalmente ilegal. Além de ser um abuso, um constrangimento e um desrespeito aos trabalhadores, alguns deles com décadas na empresa. O jornal também tenta obrigar alguns a assinar a demissão com data de ontem.

O Hoje em Dia foi vendido pelo grupo Bel em uma transação ainda nebulosa, que está sendo investigada pelo Sindicato, e os novos proprietários não são conhecidos oficialmente. Na semana passada, para tratar de demandas trabalhistas, o Sindicato reuniu-se com Luciano Resende, que se identificou como novo presidente da empresa, apesar de não informar que grupo representava. Ele se comprometeu a resolver todos os problemas e garantiu o pagamento do salário até o quinto dia útil de março. Em seguida à reunião, os jornalistas marcaram assembleia para 7/3, para avaliar a possibilidade de paralisação caso o compromisso não seja cumprido.

O Sindicato vai exigir rigor para que todos problemas sejam solucionados e que os demitidos recebam dentro do prazo estabelecido pela legislação. O FGTS, cujo depósito não vem sendo feito, e o reajuste retroativo do vale-alimentação já são motivo de ação trabalhista movida pelo Sindicato. A ação atinge os novos proprietários, os antigos (Grupo Bel) e ainda a Rede Record, que era proprietária do jornal até 2014. Não vamos aceitar calote.

O Sindicato já entrou em contato com todos os jornalistas dispensados. Hoje, às 19h, será feita uma reunião com eles, na Casa do Jornalista (Avenida Álvares Cabral, 400), para esclarecer sobre dúvidas trabalhistas, dispensas ilegais e ações pela garantia dos direitos.

 

Veja também

SJPMG repudia ataques a jornalistas por vereadora de Bom Jesus do Amparo

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais vem a público repudiar os ataques feitos ...

5 comentários

  1. E de uma tristeza secular a falta de respeito com os profissionais da informação.Demissão em massa de jornalistas no Hoje Em Dia.Que horror. Sou solidária com amigos e colegas demitidos.O que sinto?!? Uma tristeza profunda de quem conhece a fundo este meio.Sorte meus queridos(as)

  2. Os jornais realmente passam por grandes dificuldades.. Mas é preciso respeitar os profissionais e conseguir uma forma de compor e ajustar o quadro de maneira coerente para ad partes.. Isto e interessante até para a empresa, pois, provavelmente, deve haver muitas irregularidades, que, com certeza acabarão na Justiça do trabalho.. Não se joga na rua profissionais como se fossem imprestáveis!!

  3. Lamento muito este fato ocorrido, nenhum jornalista pode ficar prejudicado.

  4. IEDA MARISA MARTINS DE SOUZA

    Eu desejo saber qual o “SINDICATO”ATENDERÁ O ASSINANTE DO “HOJE EM DIA” QUE PAGA OS BOLETOS RIGOROSAMENTE EM DIA, E NÃO RECEBE O JORNAL.ISTO ACONTECE NÃO OCASIONALMENTE É SISTEMATICAMENTE SOB ALEGAÇÕES com ÁS QUAIS NÓS OS ASSINANTE NÃO TEMOS NADA A VER .

  5. O mais engraçado é que a transação entre o Grupo Bel e o Ex Prefeito Ruy Muniz, preso em Governador Valadares em diversas irregularidades, nem é citada em nenhuma reportagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *