Na pressão por democracia, direitos dos trabalhadores e reformas estruturais

Por Jornalistas Livres — Frente Popular de Esquerda dá a largada em Minas Gerais com plataforma pela legitimidade e crescimento, apostando na convergência e na articulação.

“Não tem protagonismo e não tem hierarquia. Quem concorda com a plataforma pode chegar.” Assim Beatriz Cerqueira, uma das coordenadoras da Frente Popular de Esquerda em Minas Gerais, convida para o lançamento de hoje à noite da sessão estadual do movimento que, de acordo com seu manifesto, pretende reunir forças nacionais em defesa dos direitos dos trabalhadores, da democracia, da soberania nacional e das reformas estruturais e populares. Segundo Beatriz, que é presidente da CUT/MG e coordenadora-geral do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação (Sind-UTE/MG), foi feito um grande esforço de mobilização e ampla convocação de movimentos e grupos como pastorais, juventude organizada, centrais sindicais, organizações de bairro, partidos políticos, moradias populares “e todos mais que quiserem”.

As discussões e articulações em torno de um consenso — senão no todo, em partes importantes — de grupos sociais populares para a formação de uma Frente Popular de Esquerda movimentaram pelo menos o primeiro semestre deste ano no país. E, apesar de agendas por vezes conflitantes e de divergências políticas, a leitura comum da conjuntura e da clara impossibilidade dos partidos de defenderem sozinhos os direitos ameaçados propiciou a convergência. Um manifesto foi construído e divulgado em julho (Link: http://manifestobrasil2015.org/). Hoje (7/8) a plenária estadual acontece às 18h na sede do Crea. Está previsto ainda, para setembro, nos dias 5 e 6, também em Belo Horizonte, um seminário nacional.

“Queremos um movimento que consiga aglutinar pessoas e reagir”, diz Beatriz. “Avaliamos que os partidos políticos de esquerda que estão no poder não têm, sozinhos, como dar conta.” Confira a seguir os principais trechos da entrevista que ela concedeu aos Jornalistas Livres.

Jornalistas Livres: A Frente Popular de Esquerda não tem como agenda só barrar a ascensão conservadora no país.

A Frente Popular de Esquerda surgiu pelo esgotamento político. Percebemos a impossibilidade dos partidos políticos de, sozinhos, reagirem a conjuntura conservadora atual. Eles não conseguem mais responder ao ajuste fiscal, que rompe com a plataforma que foi eleita. Não conseguem mais conservar a ética na política. Não conseguem se apropriar e reagir à falta de apuração da corrupção feita pelos políticos e partidos de direita — em Minas Gerais há exemplos clássicos. Também não conseguem reagir a votação de temas como a redução da maioridade penal, conter as ameaças a Petrobras e ao pré-sal, que consideramos essencial para o crescimento do país. Nossa agenda mínima e plataforma básica é sim pela defesa da democracia e soberania nacional. Queremos constituir um movimento que consiga aglutinar as pessoas em defesa desta agenda. Somos pelo crescimento.

Jornalistas Livres: De quem é a liderança da Frente Popular?

A Frente não tem protagonismo e não tem hierarquia. A proposta é esta e é diferente, bem diferente, do que a esquerda está acostumada a fazer. Quem concorda com esta plataforma, é contrário a qualquer golpe e é pela manutenção de quem foi eleito democraticamente terá acolhimento. Quem é pela defesa da soberania nacional pode chegar. Pode chegar e ficar.

Jornalistas Livres: Qual é a composição deste grupo em Minas Gerais? Como é que está se formando este caldo?

Nós estamos em fase de construção. Estamos em ampla divulgação para hoje, que é o dia do lançamento aqui em Minas Gerais. Queremos aqui conosco a juventude, os movimentos de bairro, as pastorais, os movimentos populares, os partidos políticos, as centrais sindicais, e todo mundo. Estamos fazendo uma ampla convocação. Queremos nos constituir como grupo a partir do lançamento de hoje, para só então nos organizarmos para a conferência nacional que será em setembro. E que será aqui em Belo Horizonte também.

Jornalistas Livres: Na plataforma da Frente há a defesa das reformas estruturais. Como é que se defende um governo e pressiona por reformas que o enfraquecem?

A melhor forma de ajudar governos progressistas é não abandonar suas bandeiras e pautas legítimas. E nós percebemos que, no passado, em algum momento isto começou a acontecer. Nós falávamos, lá no início, em reformas estruturais. E, e de repente, não falávamos mais. Falávamos em regulamentação da mídia e depois passamos a falar que ela seria feita pelo controle remoto. Não foi e não será. Temos de manter a mobilização e a pressão. A defesa da democracia é intrínseca ao nosso movimento. E muitos de nós morremos por ela. Mas é essencial que também empurremos os governos sempre para mais à esquerda. Os governos que se elegeram com plataformas populares, todos aqueles que se elegem com plataformas progressistas, têm de ser pressionados por elas. É essencial nos articularmos para defender o governo democraticamente eleito, reagir à pauta conservadora e defender nossas demandas populares cada vez mais à esquerda.

Jornalistas Livres: Tem uma afirmação sua muito interessante que gostaria que comentasse. Você diz “as ruas do Estado de MG não viraram à direita” em junho de 2013.

Não viraram. Em Minas, a trajetória há dez, cinco anos, já era de mobilização na rua. A educação de rede pública, a organização de ocupações urbanas de uma forma geral, os eletricitários — que enfrentaram o desmonte da Cemig — todos estiveram nas ruas. A gente tem tradição de colocar a pauta na rua. Embora os prefeitos sempre viessem com o discurso de criminalização cerceando protestos, com a questão do trânsito colocando entraves. Mas as nossas pautas sempre estiveram nas ruas. Antes das mobilizações de 2013 em Belo Horizonte já estávamos todos na rua. Quando a direita veio para a rua, ela disputou o espaço em BH. Os grupos organizados vieram fomentar ódio entre os grupos populares. Mas nós tínhamos pautas concretas. E tivemos uma grande capacidade de convergência e articulação. Sentamos todos CUT, PSOL, PSTU, setores do PT, diversidades Juventude, UEE, Levante, ocupações urbanas. Estas convergências foram boas, foram sólidas o suficiente para estarmos ali e a direita não conseguir expulsar a esquerda das ruas em Minas Gerais e em BH. Mas não acho que posso transportar este raciocínio para o resto do país. Esta convergência não foi mágica, mas nossa capacidade de entender a conjuntura foi rápida e viemos com nossas bandeiras.

Serviço: Lançamento Frente Popular de Esquerda Minas Gerais

7 agosto / 18 horas

Crea/MG: Avenida Álvares Cabral 1600. Santo Agostinho (próximo à Assembleia Legislativa).

(Publicado no saite Jornalistas Livres.)

 

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *