Democratizar a comunicação é estratégia para o Estado de Direito

Democratizar a comunicação é fundamental para superar o momento de crise econômica, política e social que o Brasil vive. Essa foi uma das constatações do debate de abertura da reunião do Conselho Deliberativo do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), na sexta-feira (17/7), em São Paulo.

O debate “Democracia em tempos de ajuste: unidade contra o retrocesso e reafirmação dos direitos sociais” contou com a participação da coordenadora-geral do FNDC, Rosane Bertotti; do jornalista Luis Nassif (Jornal GGN); do representante da Central Única das Favelas (Cufa), Preto Zezé das Quadras; e do dirigente nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), João Paulo Rodrigues.

Rosane Bertotti, que coordenou a mesa, iniciou sua fala destacando a importância de discutir a comunicação no momento de crise econômica, política e social que o país está vivendo. “Não tem como debater comunicação sem falar da conjuntura. A comunicação é estratégica para o avanço da sociedade brasileira e para aprofundar a democracia”, destacou.

Nos tempos em que a os trabalhadores correm sérios riscos de perdas de direitos e o país sofre a ameaça de um golpe institucional, o FNDC defende a comunicação na luta pela democracia. “Democratizar a comunicação é defender o Estado de direito e fortalecer a democracia”, afirma a coordenadora do Fórum.

O jornalista Luis Nassif citou exemplos de momentos históricos e da atualidade de como a mídia influencia a política pelo mundo. “A comunicação, que é monopolizada e oligopolizada, disputa um mercado de opinião. Ela passou a ser um agente de formação de opinião vinculado ao mercado político e financeiro”, afirma Nassif. “A imprensa não é um agente neutro, ela tem interesses comerciais e usa seu poder como instrumento de chantagem”, complementa o jornalista. “A mídia, histórica, é contrária aos avanços sociais”.

Nassif também cita as mudanças da comunicação com o aparecimento das novas tecnologias, como a internet, por exemplo. “Até pouco tempo só famílias tinham jornais grandes, que só se mantinham devido à influência política. Com a internet, esse modelo ruiu”, explica.

Para o representante da Cufa, Preto Zezé, a comunicação deve ser tema de debate em outras instâncias para “deixarmos de falarmos para nós mesmos”. “Há protagonismo nas periferias do país que passam longe de sindicatos e outras entidades da sociedade civil organizada. A pauta do movimento social não pode ser só a campanha salarial”, critica Zezé.

Zezé também destaca a importância da cultura na comunicação. “Quando se faz eventos culturais significa inserir os jovens nestes espaços de convivência para fortalecer relações e que não deixa de ser uma disputa de opinião, porque eles estão falando sobre tudo”, pondera.

“Precisamos entender porque a juventude, que são a geração Lula e Dilma, com acesso a bens de consumo, não está integrada nessa agenda de lutas do movimento social”, aponta. “Temos de ocupar os espaços e alcançar as redes das periferias, se não os conservadores e poderosos ocuparão”, finaliza Zezé.

Já João Paulo alerta sobre a importância de discutir a unidade de lutas em tempos de turbulência. “A vida real mostra que a organização do trabalho não é mais só na fábrica”, afirma. Para ele, a esquerda tem que unificar as pautas e listar prioridades para conseguir disputar a narrativa. “Precisamos nos comunicar com a sociedade, com a base, com a periferia”, sugere.

João Paulo mencionou que o movimento social e setores políticos costumam avaliar três cenários de ação política. “O primeiro é o neodesenvolvimentismo, que foi a base da última década, mas um modelo que, na minha opinião, está em crise. Tem o projeto que a esquerda vem sustentando desde a década de 1970, que é o democrático-popular, mas que perdeu muita força institucional, e há aqueles que defendem o ‘socialismo já’, mas que, sem grande mobilização social, pode cair no idealismo. Se a gente não conseguir encontrar ao menos uma meta-síntese entre essas três estratégias, vai ser difícil sair dessa crise”, observa.

O encontro, que terminou no sábado (18/7) e reuniu a direção nacional do FNDC, centrais sindicais, jornalistas, dirigentes sindicais e militantes, teve como objetivo debater estratégias para fortalecer a luta por uma comunicação democrática no país.

Foto: Roberto Parizotti/Barão de Itararé

(Publicado no portal da FNDC)

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *