Rádio e TV: patrões emperram as negociações

Desde o começo das negociações da Campanha Salarial 2015/2016, o Sindicato dos Jornalistas e o Sindicato dos Radialistas, que estão atuando de forma unificada, tiveram sete reuniões com os patrões. A primeira proposta patronal foi de reajuste de 5% e, depois de pressão, evoluiu para 5% retroativos a abril mais 2% em setembro, sem retroatividade. A partir daí, a proposta patronal estacionou, embora o Sindicato venha insistindo na negociação. Preocupado com as demissões que estão ocorrendo, o Sindicato admitiu aceitar o parcelamento desde que atingindo o INPC (8,42%) e com estabilidade até setembro. Os patrões rejeitaram.

Historicamente, a categoria nunca fechou negociação abaixo do INPC. Sempre foram conquistados pelo menos a reposição integral das perdas e o aumento real nos pisos salariais. Também nunca houve fracionamento da reposição. Isto significa uma segunda perda salarial, pois, até o pagamento, a inflação reduzirá mais o poder aquisitivo dos trabalhadores.

O argumento patronal tem sido a crise econômica. No entanto, os números indicam o contrário. Nos últimos anos as empresas jornalísticas faturaram como nunca. Exemplo disso são os valores recebidos pela Rede Globo do governo estadual, referentes a publicidades veiculadas em 2014. Só em janeiro deste ano foram mais de R$ 7 milhões e em março mais R$ 1 milhão, segundo o Portal da Transparência do governo do estado.

A próxima rodada de negociações está marcada para a próxima segunda-feira 29/6. As dificuldades nas negociações, decorrentes da intransigência dos patrões, exigem ampla mobilização da categoria, para conquistarmos ganho real em nossos salários.

 

Veja também

Fenaj divulga edição anual do Relatório da Violência Contra Jornalistas na próxima terça 26/1

Na próxima terça-feira, 26 de janeiro, às 10 horas, a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *