Jornalistas do Pará protestam nesta sexta-feira contra demissões

O Sindicato dos Jornalistas do Pará convocou a categoria a protestar contra as demissões nas Organizações Romulo Maiorana vestindo preto nesta sexta-feira (24/4), batizada de Black Friday. Do dia 20 ao dia 22 de abril a empresa demitiu 12 jornalistas, principalmente no jornal Amazônia.

A presidente do Sinjor-PA, Roberta Vilanova, realizou duas visitas às redações, oferecendo apoio e assistência jurídica da entidade aos demitidos. Além disso, vem buscando dialogar com os dirigentes da empresa para cobrar transparência, diálogo com os trabalhadores e tratamento digno para com os demitidos, considerando alguns casos de jornalistas que foram dispensados ao final do expediente de trabalho. “O trabalhador das ORM entra na redação empregado, faz o seu trabalho e, no fim do expediente, é chamado pelo RH e volta para casa sem emprego. Por que não chamar os jornalistas e expor a situação de uma vez? É isso que os profissionais querem: transparência por parte da empresa.”, disse a sindicalista.

Roberta e outros dirigentes do Sinjor-PA que trabalham na redação de “O Liberal” e do “Amazônia” reuniram-se esta semana, em diferentes ocasiões, com os diretores jurídico e industrial, Ronaldo Maiorana e João Pojucan, e com o editor executivo, Lázaro Moraes, sem que fossem obtidas informações sobre o número exato de profissionais a serem demitidos e nem o período em que o processo demissional será concluído.

Maiorana, Pojucan e Moraes afirmaram que as demissões estão ocorrendo em todos os setores da empresa devido à crise financeira pela qual passam as ORM. Eles não descartaram a possibilidade de as demissões atingirem também os jornalistas de “O Liberal” e, ainda, informaram que o Amazônia será reduzido. A edição do veículo, que tinha 48 páginas nos dias de semana, hoje está com 32 páginas. Os sindicalistas repassaram aos dirigentes da empresa a preocupação com o estado emocional dos jornalistas, que vêm sofrendo com a apreensão causada pelas demissões.

Outra cobrança foi sobre o preenchimento das vagas dos profissionais demitidos por outros igualmente habilitados, já que foi denunciado ao Sinjor-PA um caso de substituição por pessoa não habilitada e sem nenhuma experiência jornalística. No entanto, a violação às prerrogativas foi negada pela empresa, apesar das evidências. Foi prometido que um jornalista graduado será destacado para a função.

Em seguida, Roberta e os dirigentes conversaram com os trabalhadores, na redação, para repassar as conversas travadas com a Direção e orientar os jornalistas a não aceitarem o acúmulo de trabalho e nem a substituição de profissionais por pessoas não habilitadas.

Um ofício foi enviado ao presidente executivo das ORM, Romulo Maiorana Júnior, para que receba a entidade sindical, o que ainda não foi atendido.

Além de convocar a categoria a participar do “Black Friday”, o Sindicato orientou os jornalistas a ampliarem a repercussão do protesto postando fotos e mensagens nas redes sociais, utilizando as hastags ‪#‎Paremasdemissões‬ ‪#‎Nãoàpejotização‬‪#‎Nãoàterceirização‬

 

(Publicado originalmente no portal da Fenaj.)

 

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *