Jornalistas e radialistas suspendem greve depois de compromisso da Secretaria da Cultura de retirar de tramitação o Plano de Cargos e Salários e reabrir discussão com sindicatos

Depois de seis dias de paralisação, com a Rádio Inconfidência transmitindo só programas gravados ou reprisados, jornalistas e radialistas decidiram, em assembléia, na tarde de hoje, suspender o movimento e retornar ao trabalho. A decisão foi tomada depois de uma reunião de cerca de três horas com o secretário de Cultura, Leônidas Oliveira, com os representantes das entidades de classe e o advogado do Sindicato dos Radialistas, Gustavo Chalup. A Rádio Inconfidência faz parte da Empresa Mineira de Comunicação (EMC), que engloba as duas emissoras públicas do estado, a Rádio Inconfidência e a Rede Minas de Televisão.

Nas reunião, o secretário comunicou a retirada de tramitação do PCS para discussão com os trabalhadores, principal pauta da mobilização, a reabertura das discussões sobre o acordo coletivo, suspensas desde o ano passado, e solução dos problemas de falta de condições de segurança e trabalho nas antenas da rádio apontadas pela Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA). Também foi acordado que os dias parados não serão descontados, mas pagos com banco de horas.

O secretário designou duas pessoas para mediar o diálogo, o diretor da EMC, Fábio Cadeira, e o presidente do Conselho de Administração da EMC, José de Oliveira Júnior.
As entidades de classe e os trabalhadores não têm conhecimento sobre o PCS, mas sabem, por conta do vazamento de informações pelo próprio comando da EMC, que o plano retira da progressão todos os radialistas, com exceção dos locutores, o que as entidades consideram ilegal.

Amanhã já deve acontecer a primeira reunião entre os para discutir com as entidades de classe.
Os trabalhadores, que acompanharam a reunião na frente do prédio, permanecem mobilizados em busca de seus direitos.

Ato Unificado

Na sexta passada, data do aniversário de 85 anos da Rádio Inconfidência, 14 entidades de classe e a Central Única dos Trabalhadores (CUT), representada pelo seu presidente Jairo Nogueira, fizeram um ato de solidariedade ao movimento grevista dos jornalistas e radialistas na porta da rádio.
Os sindicatos dos Jornalistas e Radialistas agradecem o apoio de todas as entidades de classe pela luta coletiva e parabenizam os trabalhadores pela mobilização e empenho
Luta, jornalista. Luta, radialista.

Veja também

SJPMG repudia censura imposta pela Rádio Favela ao professor Dirceu Greco, médico pioneiro na luta contra a AIDS

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais (SJPMG) manifesta sua total solidariedade ao professor ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *