No mês de combate à violência contra mulher, jornalista denuncia agressão por parte de dirigente do PT de Contagem

Em vídeo publicado nas redes sociais, a jornalista Lyvia Prais, 29 anos, acusou o presidente do PT de Contagem (Região Metropolitana de Belo Horizonte), Miguel Ângelo, 29 anos, de violência doméstica. Os dois são filiados ao PT de Minas e viveram juntos de 2013 a 2015. Segundo ela, as agressões aconteceram durante esse período, mas na época não foram denunciadas “por vergonha, falta de coragem e orgulho” e também porque ela alega que tinha medo de perder o emprego ligado ao partido e assim, não conseguir terminar a faculdade de jornalismo, que cursava na época.

“Por que não denunciei? Eu tinha vergonha e também porque precisava acabar minha faculdade e queria manter meu emprego. Não admitia voltar para o interior sem diploma, sem emprego e violentada. Eu queria minha independência”, conta a jornalista.

Ela disse que resolveu denunciar publicamente agora porque passou por muitos problemas e custou a superá-los. “Me afoguei no alcoolismo, descobri inúmeros transtornos psicológicos e doenças crônicas. Somente agora estou estável”, afirma. Além disso, ela disse que foi abordada por ele na última manifestação contra o governo Bolsonaro.

Segundo Lyvia, em 2017, durante um congresso da juventude do partido, ela reuniu todas as mulheres e relatou o ocorrido. “Vários políticos sabem do fato, mas ninguém nunca me ofereceu apoio. Pelo contrário, me execraram”.

Dois anos depois, desse encontro do partido, ele foi eleito presidente do diretório municipal de Contagem.

Uma das poucas ajudas de dentro do partido, de acordo com ela, foi prestada pelo ex-sogro, o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais (TCE-MG), Durval Ângelo, que foi deputado estadual pelo PT por diversos mandatos. “Tenho que ser justa com quem me ajudou”, afirma.

Procurado pelo sindicato, Miguel Ângelo disse que mandaria um posicionamento até a tarde de ontem, o que não aconteceu. Também procurado, o PT mineiro disse que “sempre tratou com rigor, transparência e justiça qualquer denúncia formalmente apresentada contra qualquer filiado ou filiado. Caso seja notificado na instância devida agirá como sempre agiu”.

A jornalista afirma que a denúncia formal foi feita há cinco dias para a Secretaria de Mulheres do partido e o vídeo postado em suas redes sociais há sete dias, mas até agora não teve um posicionamento do PT mineiro sobre o caso.

Confira o vídeo da denúncia na íntegra.

[10/8/2021]

Veja também

SJPMG repudia censura imposta pela Rádio Favela ao professor Dirceu Greco, médico pioneiro na luta contra a AIDS

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais (SJPMG) manifesta sua total solidariedade ao professor ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *