Trabalhadores ocupam Assembleia do Paraná em defesa da educação pública; Fenaj apoia

Trabalhadores da educação pública organizados pela APP Sindicato ocuparam a Assembleia Legislativa do Paraná na noite de quarta-feira 18/11 em mobilização pela revogação do edital 47, que prevê prova para contratações de professores e funcionários de escolas públicas por processo simplificado, sem concurso público.

As ações de resistência ocorreram após marcha realizada na última terça-feira 17 pela cidade de Curitiba até o Centro Cívico, onde estão localizados os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário do Paraná, para tentativa de negociação com o governador Carlos Massa Ratinho Júnior, e instalação de acampamento na área.

A APP Sindicato denuncia a convocação de edital de contratação sem concurso público com prova presencial para 90 mil pessoas, durante a pandemia, num processo que irá dispensar milhares de outros profissionais que estão contratados atualmente, especialmente as pessoas em grupo de risco, que estão fora das previsões do edital. A entidade quer a prorrogação dos contratos atuais, para a manutenção dos 28 mil empregos vigentes, enquanto perdurar a calamidade pública no país e a manutenção desses empregos.

As outras pautas incluem a revogação do fim do ensino noturno para jovens e adultos no estado, denunciam a militarização das escolas estaduais pelo governador e reivindicam mesa de diálogo permanente.

Ainda na noite de quarta, a Justiça Estadual concedeu liminar ao Governo do Paraná determinando reintegração de posse e desocupação do plenário da Assembleia Legislativa, que passou a madrugada com cerca de 70 pessoas. O juízo determinou multa de R$ 30 mil por dia e a APP Sindicato anunciou que vai resistir e recorrer.

A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (SindijorPR) e o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Norte do Paraná (Sindijor Norte PR) apoiam a luta dos professores e funcionários de escola pela educação pública de qualidade, se somam às demais entidades em solidariedade à ocupação da Assembleia Legislativa do Paraná como resistência aos ataques à educação pública por parte do Governo Estadual e reiteram a legitimidade da APP como entidade sindical que organiza coletivamente as lutas em defesa desses trabalhadores.

(Publicado pela Fenaj. Foto: APP Sindicato.)

 

[19/11/20]

 

Veja também

ALMG tem surto de covid depois de convocar todos os terceirizados, muitos sem direito a plano de saúde

Já são seis trabalhadores da área de comunicação da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (quatro ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *