Abraji faz levantamento de jornalistas bloqueados por agentes públicos nas redes sociais

Mais um jornalista foi barrado virtualmente no canal pessoal de um integrante de alto escalão do governo. O presidente da Fundação Cultural Palmares, Sérgio Camargo, bloqueou, em sua conta do Twitter, o repórter e editor Pedro Borges, da agência Alma Preta, especializada na cobertura da temática racial. O caso reabriu a discussão sobre se esse tipo de barreira pode ser considerada infração ao direito constitucional de acesso à informação e levou a Abraji a iniciar um censo sobre a prática desses cancelamentos nas redes sociais.

A partir desta quinta-feira (28.mai.2020) profissionais de sites independentes, coletivos e da grande imprensa poderão preencher um formulário relatando algumas informações, como, por exemplo, quais autoridades ou representantes do poder público tomaram essa iniciativa de cancelamento, anexando também um print da tela com a mensagem de bloqueio.

Com o banco de informações, a Abraji poderá monitorar o problema e estimular o debate sobre a legalidade dessas ações no momento em que contas extra-oficiais nas redes sociais se tornaram um meio para divulgar decisões oficiais. Clique aqui para preencher o formulário. 

Mais informações no site da Abraji

[29/05/2020]

Veja também

Câmara de Aracaju aprova exigência de diploma para jornalistas no poder público municipal

A Câmara Municipal de Aracaju (SE) aprovou por unanimidade nesta quarta-feira 21/10, em sessão remota ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *