Revista ‘Elas por Elas’, do Sinpro Minas, chega à 12ª edição

O Sinpro Minas (Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais) lançou na sexta-feira 6/3, em evento em sua sede, em Belo Horizonte, a 12ª edição da revista Elas por Elas, publicação anual de gênero da entidade.

Durante a cerimônia de lançamento, 14 mulheres receberam a Comenda Clara Zetkin, criada em 2012 pelo sindicato para homenagear mulheres que contribuem para dar visibilidade, mobilizar e fortalecer a luta pelos direitos das mulheres (foto).

Clara Zetkin nasceu na Alemanha, em 1857, e dedicou sua vida à luta pela igualdade de oportunidades para as mulheres. Era professora, sindicalista e militante política.

Na abertura do evento, a presidenta do Sinpro Minas, Valéria Morato, falou sobre a importância da publicação, diante de um cenário de ataques ao sindicalismo por parte do governo Bolsonaro.

“É uma grande alegria poder compartilhar com vocês esta noite. É uma alegria porque, apesar do ataque do atual governo ao movimento sindical, para desmontar as entidades representativas e que organizam os trabalhadores e as trabalhadoras, hoje estamos concretizando a continuidade de um projeto que teve início há 13 anos”, afirmou a presidenta, destacando a necessidade de a sociedade avançar nas políticas públicas de gênero.

“As desigualdades de gênero são um obstáculo ao desenvolvimento sustentável, e não vamos nos furtar da luta para avançar decisivamente em direção a estilos de desenvolvimento que contemplem a igualdade de gênero e a autonomia das mulheres, bem como a garantia dos direitos de todas as pessoas, sem exceção”.

Ao mencionar as homenageadas, a presidenta do Sinpro Minas criticou os retrocessos do governo atual em diversas setores, que atingem principalmente as mulheres. A presidenta do SJPMG, Alessandra Mello, foi uma das homenageadas.

“Vocês estão aqui porque sabemos que as áreas em que cada uma atua estão hoje sob ataque constante. O jornalismo, a cultura, a educação, a saúde, o movimento sindical, a religiosidade, o movimento social só sobreviverão a esse governo neofascista porque poderão contar com a força e a coragem de cada uma que está aqui hoje. Obrigada!”, ressaltou.

Uma das homenageadas, a indígena e professora Célia Xacriabá agradeceu a medalha Clara Zetkin e ressaltou a luta histórica das mulheres.

“Toda vez que estou num lugar eu lembro da presença ancestral. Porque na verdade nós recebemos essa medalha, mas é na verdade em nome de milhares de ancestrais, milhares de mulheres negras, mulheres indígenas, mulheres brancas, mulheres de luta que a colonização não conseguiu matar, que a mineração não conseguiu enterrar, e que o fogo que continua queimando o cerrado, que continua queimando a Amazônia, não conseguiu queimar nossos corpos e a nossa espiritualidade”, afirmou Célia Xacriabá.

Elas por Elas

A revista Elas por Elas foi criada em 2007, pela diretoria do Sinpro Minas, com o objetivo de refletir sobre a importância da igualdade de gênero a partir de um viés educativo, progressista e classista. A publicação já recebeu diversos prêmios nacionais de jornalismo e se tornou um importante instrumento de divulgação das lutas feministas.

Nesta edição, a reportagem de capa destaca a luta histórica das mulheres indígenas, organizadas em defesa da floresta e da vida. Há também reportagens sobre o debate de gênero nas escolas, a Marcha das Margaridas, os desafios das pesquisadoras brasileiras, o impacto dos crimes da mineração na vida de mulheres que moram em regiões atingidas, a presença delas na música e na capoeira, entre outras.

Clique AQUI e confira a 12ª edição da revista Elas por Elas.

(Publicado pelo Sinpro Minas.)

[11/3/20]

 

Veja também

Câmara de Aracaju aprova exigência de diploma para jornalistas no poder público municipal

A Câmara Municipal de Aracaju (SE) aprovou por unanimidade nesta quarta-feira 21/10, em sessão remota ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *