Mineradora barra fiscalização da Câmara Municipal na Serra do Curral

Objetivo da Comissão de Meio Ambiente da Câmara era entrar na área minerada pela Empabra, mas acesso foi negado e por isso PM foi chamada

Mateus Parreiras, EM, 26/6/2019, 11h34, atualizado às 11h50

Uma missão da Comissão de Meio Ambiente da Câmara Municipal de Belo Horizonte e do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) foi barrada na porta da Empresa de Mineração Pau Branco (Empabra), que tem suas atividades instaladas na Serra do Curral. A Polícia Militar foi chamada e um boletim de ocorrência registrado.

A fiscalização estava agendada para as 10h desta quarta-feira (26), para averiguar as condições ambientais da área tombada, mas os representantes da mineradora impediram o acesso do representante do parlamento municipal, Gilson Reis (PCdoB), bem como dos agentes do órgão federal.

De acordo com o vereador Gilson Reis, há denúncias de que parte dos taludes (paredões de onde se retirou o minério de ferro e que sustentam os degraus das lavras da mina) estariam sofrendo processos erosivos.

“É uma situação que pode trazer um grande prejuízo ambiental e sobre o patrimônio da cidade, caso esses taludes venham a se romper. São, também, um prejuízo para a comunidade como um todo”, destacou o parlamentar.

Segundo o representante institucional da Empabra, José Flávio Franco, a empresa não minera mais, se valendo apenas do material removido do solo para recompor a paisagem escavada pela mineração nos últimos 50 anos e se financiando do minério de ferro que processa nesse processo. “Há um ano que essa empresa não funciona. Só o que fazemos agora é tirar o minério que sobrou, cerca de 150 mil toneladas”, disse Franco.

O representante da Empabra disse também que a entrada só seria permitida com ordem judicial. “Não temos mais sequer estrutura de segurança para acompanhar essa vistoria ou equipamentos de segurança individual que são obrigatórios. A mina já não processa mais minério, nem se quisesse, pois os cabeamentos de cobre foram todos roubados por culpa do abandono. Foram 300 empregos diretos perdidos”, pondera.

A expectativa do vereador Gilson Reis é de que essa ocorrência seja juntada a outros processos e documentos para que nova visita, desta vez com a presença de órgãos como o Ministério Público, possa ocorrer. “Estivemos aqui há 20 dias e também fomos impedidos. Fizemos também um registro policial. A fiscalização é um dos deveres dos vereadores e se alertá-los sempre, podemos perder a finalidade, dando tempo para que o fiscalizado maqueie uma situação” disse.

(Publicado pelo Estado de Minas. Crédito da foto: Sidney Lopes / DA Press.)

Leia também:

CPI pede a ‘suspensão definitiva’ de mineração na Serra do Curral. Relatório final detectou que a atividade está causando danos ao meio ambiente. Vereadores ainda recomendaram o bloqueio judicial da Empabra e de seus sócios

#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

[26/6/19]

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *