Greve dos jornalistas em Alagoas: MPT mediará negociação com patrões

Após 90% dos jornalistas dos principais veículos de comunicação do estado de Alagoas cruzarem os braços contra a redução de 40% no piso salarial da categoria, foi marcada uma audiência no Ministério Público do Trabalho (MPT) para esta quinta-feira (27/6), às 11h.

A mediação da negociação entre o Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Alagoas (Sindjornal) e as empresas de comunicação do estado será conduzida pelo procurador-chefe Rafael Gazzaneo, que integra o Núcleo de Autocomposição do MPT, criado em maio deste ano para tentar dar mais agilidade na resolução de conflitos.

A categoria aprovou o estado de greve em assembleia realizada no dia 30 de maio, mês da data base dos jornalistas alagoanos. A greve só foi aprovada pelos trabalhadores e pelas trabalhadoras no dia 19 de junho, depois de inúmeras tentativas do Sindicato dos Jornalistas de Alagoas (SindJornal) de abrir negociação com os patrões.

O presidente do SindJornal, Izaías Barbosa de Oliveira, informou ao Portal CUT que foram apresentadas pelo sindicato pelo menos nove propostas de negociação desde que começou a campanha salarial.

“E eles [os patrões] não apresentaram nenhuma outra a não ser esta de redução de salários, que chega a quase R$ 1.500,00 a menos nos bolsos dos trabalhadores. Por isso é greve”, explicou o presidente da entidade, denunciando também a manobra dos patrões, que chegaram a chamar trabalhadores de Pernambuco para substituir a categoria e colocar a programação das emissoras no ar.

Também em entrevista ao Portal CUT nessa terça-feira, a presidenta da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), Maria José Braga, a Zequinha, afirmou que o movimento de jornalistas alagoanos estava dando exemplos para classe trabalhadora de resistência e de luta, dizendo não para a proposta dos patrões e resistindo com uma greve por tempo indeterminado.

“Queremos que esta greve não seja longa, que os patrões se sensibilizem, que o TRT julgue a favor do dissídio e que não haja redução de piso salarial”, disse Zequinha.

(Publicado pela CUT.)

Leia também: Contra redução de salários, 90% dos jornalistas de Alagoas cruzam os braços

#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

[27/6/19]

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *