País sem sintonia

Depois de integrar o Brasil por décadas, o rádio vive mudanças que podem provocar o efeito contrário.

Reportagem de Rodrigo Bertolotto, no TAB.

Clarice Nunes, 58, é cabeleireira. Ela mora no sítio em que nasceu, em Mairiporã, cidade da Grande São Paulo. O radinho na tomada e o volume no máximo garantem a trilha sonora enquanto trabalha no salão de beleza e cuida da casa. O marido, que é pedreiro, leva o outro aparelho para as obras. “Desde criança, com meu avô, o que gente escuta é AM. As FMs não pegam bem aqui. E tem até AM que anda sumindo”, conta Clarice. “Esse negócio de escutar no celular com fone [de ouvido] é ruim para trabalhar. Não sei se vou me acostumar”, completa. Seus comunicadores favoritos falam com ela pelo ar, através de ondas que saem do centro paulistano e viajam 60 quilômetros até aquela área rural. Mas, nos próximos anos, isso vai mudar.

Essas mudanças vão atingir também o Pantanal, a Amazônia, os sertões e muitos outros lugares onde não chegam televisão nem celular: só o rádio AM. Ao contrário da TV, a digitalização do rádio travou cinco anos atrás. Houve um choque de interesses entre as emissoras comerciais, de um lado, e as estações públicas e especialistas em comunicação, de outro. O impasse político virou estagnação tecnológica, e surgiu a alternativa da migração em massa para o dial de FM. A ideia dos empresários, com o aval do governo, é dar maior qualidade de som e mais conectividade com celulares e carros. E, com isso, ter melhor retorno de publicidade. O efeito colateral é que a mudança ondulatória da amplitude modulada (AM) para a frequência modulada (FM) vai diminuir drasticamente o alcance, abandonando justamente o público mais dependente desse modelo: as populações das pequenas cidades, campo, sertões e florestas. Ou seja, mais convergência e menos abrangência.

“A AM entra pelos igarapés até as comunidades ribeirinhas. Nas casas de farinha, o som é do radinho. Ele fortalece nossa identidade e traz conhecimento. Na Amazônia, ela é tão primordial como o WhatsApp para as pessoas da cidade”, afirma a radialista e pesquisadora Rejane Soares, que circulou muito rio acima e abaixo no Amapá. “Nas rádios pantaneiras ainda tem o tradicional programa de recados. Pessoas avisando que vão chegar de viagem, quem morreu, quem nasceu. O rádio é essencial ali, e a mudança para a FM vai prejudicar essa população”, conta Daniela Ota, professora da UFMS (Universidade Federal do Mato Grosso do Sul) que estudou as rádios da fronteira brasileira com Paraguai e Bolívia.

Clique aqui para ler a reportagem completa.

(Publicado no TAB.)

 

#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

[17/4/19]

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *