‘Facejornalismo’ domina a eleição

Por João Paulo Cunha

O que esperar da cobertura de uma campanha eleitoral? Apresentação de ideias, confronto entre propostas e trajetória do candidato, debate público em torno de temas relevantes, informação atualizada e confiável, pluralidade de análises. Em outras palavras, o bom e velho jornalismo.

Sob o signo das mídias sociais — com seu grau de irracionalidade, exibição narcísica, superficialidade, manipulação e divisão como fundamento epistemológico — a imprensa tem se mostrado cada vez menos capaz de cumprir sua função histórica. Se as redes se tornaram um cenário inevitável de campanha, sua linguagem e espírito se transformaram em paradigma para o jornalismo os nossos dias, ou melhor, para o facejornalismo.

Quem tem acompanhado a cobertura eleitoral pela televisão, tanto aberta quanto paga, sabe o que isso significa. A sequência de entrevistas de candidatos é uma triste vitrine da decomposição do jornalismo. O foco não é o cidadão, o objetivo não é esclarecer, a atuação dos profissionais não carrega elementos mínimos de sua profissão – a ética na conduta, a coragem na abordagem e a boa informação como alicerce.

O facejornalismo tem suas regras. Cada emissora que vista a carapuça que melhor lhe convier. Em primeiro lugar, a fuga do pensamento. No tempo das redes não cabe a reflexão, a construção do conceito, a formulação detalhada do argumento. Mesmo os temas mais complexos são tratados a partir de slogans fáceis, que geralmente atacam as tentativas mais consequentes de aprofundamento da discussão.

Clique aqui para ler a íntegra do artigo no Brasil de Fato).

 

#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

[6/9/18]

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *