Fenaj pede ação do MPF contra censura da Globo a jornalistas

A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) apresentou representação ao Ministério Público Federal solicitando providências legais para garantir a liberdade de expressão e manifestação dos jornalistas e demais profissionais do Grupo Globo. O grupo impôs, de forma antidemocrática e inconstitucional, uma verdadeira censura prévia aos jornalistas e colaboradores, ao estabelecer “diretrizes para o uso de redes sociais”.

Conforme já havia denunciado em nota pública, a Fenaj argumenta que Grupo Globo, a pretexto de estabelecer “diretrizes para o uso de redes sociais”, promoveu censura prévia aos profissionais jornalistas, impedindo-os, sob ameaça, que eles se manifestem em redes sociais, tanto as que existem, quanto as que vierem a existir.

Pelas novas “diretrizes”, os jornalistas do grupo empresarial não podem compartilhar mensagens que revelem posicionamentos políticos, partidários ou ideológicos, mesmo em grupos em que se exige a confiança absoluta entre seus participantes. Nas redes sociais, os jornalistas devem se abster de expressar opiniões políticas, promover e apoiar partidos e candidaturas, defender ideologias e tomar partido em questões controversas e polêmicas que estão sendo cobertas jornalisticamente pelo Grupo Globo.

Os jornalistas do Grupo Globo ficam impedidos de fazer publicidade, mesmo que indiretamente, ao citar ou se associar a nome de hotéis, marcas, empresas, restaurantes, produtos, companhias aéreas etc. Isso também não deve acontecer em contas (em redes sociais) de terceiros, e o jornalista deve zelar para evitar tais ocorrências.

Ao impor as novas “diretrizes”, incorporadas aos “Princípios Editoriais”, datados de 2011, o Grupo Globo amordaça os seus profissionais. As “diretrizes” aparecem como “recomendações”, mas fica evidente que quem não segui-las será responsabilizado e sofrerá consequências.

Na argumentação, a Fenaj lembra que “a liberdade de expressão não é apenas um instrumental da efetividade da democracia. É um bem da vida, uma liberdade fundamental e um componente essencial de uma vida plena e do desenvolvimento humano. Além disso, é uma ferramenta indispensável à construção coletiva de projetos sociais e força motriz da constante transformação da realidade social em suas diversas facetas, social, política, tecnológica e cultural.”

Também recorre à Constituição do Brasil que garante o direito de livre expressão à atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura de natureza política, ideológica e artística ou de licença (arts. 5º, inc. IX, e 220, § 2º, da Constituição da República Federativa do Brasil), bem como assegura que não haverá restrição à manifestação do pensamento, à criação, à expressão e à informação, sob qualquer forma, processo ou veículo (art. 220, caput, da Constituição do Brasil).

A Fenaj pede ao Ministério Público a instauração de inquérito civil para avaliar a legalidade, moralidade e constitucionalidade nas novas “diretrizes” adotadas pelo Grupo Globo e ao final, para adotar as providências legais, para assegurar a liberdade de expressão dos profissionais e afastar qualquer tipo de censura aos jornalistas.

(Publicado pela Fenaj.)

#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

[18/7/18]

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *