É preciso furar o bloqueio da mídia e lutar pela sua regulação e democratização

Por Laurindo Lalo Leal Filho*

Ao silenciar sobre o contraditório, os meios sonegam informações que poderiam dar uma visão mais ampla dos acontecimentos.

Os meios de comunicação exercem um tipo de censura peculiar. Sonegam do público informações que poderiam dar-lhe visão mais ampla dos fatos e a oportunidade de tirar suas próprias conclusões

“Defender o direito de Lula ser candidato é defender a democratização da mídia”, afirmou Jerry Oliveira, coordenador da Rádio Democracia, uma rede então com mais de 250 rádios comunitárias que transmitiu o julgamento do ex-presidente em Porto Alegre, em 24 de janeiro. O objetivo, segundo ele, era o de “furar a bolha da imprensa comercial e defender o Estado de Direito”.

O próprio Lula vem se manifestando constantemente sobre a necessidade de uma regulação da mídia. Ambos retomam um tema que há vários anos é objeto de debates acadêmicos, sindicais e de movimentos sociais voltados para área de comunicação. O marco inicial desse processo pode ser encontrado na Constituição Federal de 1988, que dedicou um capítulo inteiro à Comunicação Social. Só que a quase totalidade dos seus artigos não foi regulada por leis específicas e, por isso, não passaram a vigorar.

Um dos artigos que não viraram lei diz claramente que “os meios de comunicação social não podem, direta ou indiretamente, ser objeto de monopólio ou oligopólio”. Como sabemos, no Brasil a mídia é oligopolizada. Poucas famílias detêm o controle da maioria dos grandes meios de comunicação os quais, de forma conjunta, transmitem praticamente as mesmas mensagens para toda a população, excluindo divergências que possam afetar seus interesses políticos e econômicos.

Ao silenciar sobre o contraditório, os meios de comunicação exercem um tipo de censura peculiar. Sonegam do público informações importantes que poderiam dar ao leitor, ouvinte ou telespectador uma visão mais ampla dos acontecimentos, oferecendo a ele a oportunidade de tirar suas próprias conclusões. Quando se trata de questões ligadas a uma possível regulação da mídia a situação se agrava. Há um alinhamento editorial contrário compacto.

Pesquisa realizada por Camilo Morano Vannuchi, publicada na revista Alterjor da Escola de Comunicação e Artes da USP, deixa isso claro. Ele observou como os jornais Folha de S.Paulo e O Globotrataram do assunto num período de dez anos, de 2007 a 2017. Foram 125 textos publicados pela Folhae 216 pelo Globo. A maioria concentrada em seis anos, de dezembro de 2010 a novembro de 2015. O autor constata que nesse período dois fatos ampliaram a discussão sobre a regulação da mídia: a realização da primeira Conferência Nacional de Comunicação (Confecom), em dezembro de 2009, na qual foi apresentada a proposta do Conselho Nacional de Comunicação Social, gerando discussões acerca do que foi chamado de “controle social da mídia”, e, no mesmo mês, a emissão do decreto que implementou o 3º Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH 3), que tinha entre as suas orientações a criação de uma comissão de monitoramento do conteúdo editorial com o objetivo de organizar um ranking de veículos identificados com a promoção dos direitos humanos. Propostas atacadas com furor pela mídia hegemônica.

Os números mostram como o tema entrou e saiu da pauta desses jornais. Em 2007 a Folha publicou quatro matérias a respeito. O Globo, duas. Em 2011, O Globo publicou 56 e a Folha, 14. E agora, em 2017 o assunto praticamente morreu: Folha, uma; O Globo, zero.

Significativa é a diferença dos números de matérias publicadas pelos dois veículos. Em 2010 e 2011 a frequência desse tipo de informação no Globo foi quase quatro vezes superior à da Folha. O autor da pesquisa acredita que o jornal carioca “chamou para si a responsabilidade por demover todo e qualquer apoio popular à iniciativa e por dispersar imediatamente os riscos de regulação, expediente que, em todas as teorias e propostas de lei, acarretaria em sanções ou perdas ao Grupo Globo empresa que é, simultaneamente, detentora de oligopólio de mídia, praticante de propriedade cruzada, beneficiada por 75% das receitas dos anúncios e concessionária de uma outorga que vem sendo renovada automaticamente, moto contínuo, e que tem deputados e senadores entre os proprietários de retransmissoras regionais”.

A pesquisa foi além e classificou as formas como os dois jornais tratavam do tema a partir de quatro palavras-chave: “marco regulatório” e “regulação da mídia”, consideradas neutras; “controle da mídia”, considerado negativo (ou desfavorável) e “democratização da mídia”, visto como positivo (ou favorável). O resultado era o esperado: houve quatro menções a “controle da mídia” para cada registro de “democratização da mídia” na Folha. A proporção no Globo foi de cinco para um. E mais, das quatro palavras selecionadas “controle da mídia” é a única que aparece nos títulos de primeira página, todas no Globo.

Além disso, a expressão “democratização da mídia” é usada de forma irônica como neste caso da Folha,que deu matéria com o titulo “Presidente do PT afirma que é preciso ‘democratizar’ a mídia”. As aspas são usadas para desmerecer o conteúdo da palavra. Ou uso da expressão “marco regulatório” com o intuito de desconstruí-la, como neste trecho do articulista da Folha Luís Felipe Pondé: “O ‘marco regulatório da mídia’, item do quarto mandato bolivariano, é justamente o nome fantasia para destruição da liberdade de imprensa no pais”.

Os dados da pesquisa são irrefutáveis e só vêm confirmar o que se depreende da leitura desses jornais. Trata-se da editorialização de um tema sensível a essas empresas. Daí a confusão deliberada que fazem dos termos “regulação da mídia” com “controle da mídia”. Regular não é controlar. É, por exemplo, estabelecer regras para a ocupação democrática dos espaços públicos, no caso, as ondas eletromagnéticas por onde transitam os sinais de rádio e TV.

Os números apresentados e as análises realizadas pelo autor da pesquisa darão, sem dúvida, muito mais consistência aos argumentos daqueles que lutam pela democratização da comunicação no Brasil.

*Laurindo Leal Filho é sociólogo e jornalista. Professor do Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicações e Artes da USP

(Publicado no portal do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de São Paulo.)

[16/2/18]

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *