Trabalhadores da TV Alterosa caem na malha fina pelo segundo ano consecutivo

Mais uma vez trabalhadores da TV Alterosa caíram na malha fina, repetindo o que aconteceu com praticamente toda a redação em 2016. O problema já tinha sido descoberto por uma jornalista há duas semanas e repetiu-se hoje, com outro jornalista. Ao procurar a Receita Federal para apresentar documentação e se defender do erro do ano passado, o jornalista foi informado que também este ano ele caiu na malha fina. A explicação para o fato é que a empresa fez o desconto do imposto de renda na fonte, mas não o transferiu para a Receita.

No dia 12 de maio uma jornalista da TV Alterosa descobriu o problema ao comparecer à Receita para apresentar a documentação referente à declaração de 2015/2016 e mostrar que não tinha feito nada de errado para cair na malha fina. “Nesse dia a funcionária me disse: ‘Estou vendo aqui que este ano você caiu de novo’”, contou. Em relação ao ano passado, ela aguarda resposta da Receita da análise dos documentos que entregou.

Hoje, outro jornalista procurou a Receita para agendar uma antecipação de análise e não ficar à espera de ser chamado. Ele teria restituição, assim como em 2016, o que não aconteceu. Ao fazer o agendamento, foi informado que mais uma vez caiu na malha fina. “Isto é crime, é apropriação indébita”, disse, indignado. “Estão roubando o imposto de renda dos trabalhadores, como roubaram o FGTS e o INSS”, protestou o jornalista, que ao ser dispensado da emissora, em 2016, descobriu que 15 parcelas do FGTS não tinham sido depositadas pela empresa do grupo Diários Associados.

No ano passado, a TV Alterosa culpou a Receita pelo erro. “Eles dizem que os trabalhadores estão quebrando a empresa porque entram na justiça contra ela, mas eles é que administram mal e fazem tudo errado”, argumentou o jornalista.

Prática rotineira

Fraudar o imposto de renda tornou-se praxe entre várias empresas de comunicação de Belo Horizonte que não respeitam mais os direitos dos trabalhadores. Em 2016, pelo menos dez jornalistas do Diário do Comércio que esperavam receber restituição não a receberam e descobriram que a empresa descontou o imposto de renda na fonte mas não o repassou à Receita. Não foi a primeira vez que isso aconteceu.

O mesmo aconteceu com os jornalistas dispensados pelo jornal Hoje em Dia em 2016. Nas informações de rendimentos entregues aos trabalhadores em 2017, a empresa declarou pagamento de verbas recisórias, embora nenhum centavo tenha sido pago. Os jornalistas estão na justiça para receber o acerto e o salário do último mês trabalhado. A diferença de valores comprometeu a declaração de imposto de renda dos trabalhadores.

Como em todas essas ocasiões, o Sindicato denuncia mais uma vez a fraude cometida pelos patrões e informa que vai tomar as medidas necessárias para defender os interesses dos jornalistas.

Contatado pelo Sindicato, o gerente financeiro da TV Alterosa, Luís Eduardo Leão Carvalho, não quis falar sobre o assunto.

[30/5/17]

Veja também

SJPMG repudia ataques a jornalistas por vereadora de Bom Jesus do Amparo

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais vem a público repudiar os ataques feitos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *