Jornalistas e blocos discutem carnaval de BH em encontro no Sindicato

Jornalistas e organizadores de blocos de carnaval de Belo Horizonte reuniram-se no Sindicato para discutir assuntos de interesse comum, referentes à cobertura da principal festa popular do país. O encontro aconteceu na noite de terça-feira 7/2 e na madrugada, num debate rico e fértil. Ao final ficou acordada a criação de ferramentas de contato e troca de informações juntando repórteres e organizadores de blocos para troca de informações de forma ágil.

A ideia é que os blocos usem as ferramentas para comunicar à imprensa informes específicos e importantes, tais como notas, infos de serviço, estrutura, assim como alertar sobre informações erradas e sugerir pautas. A experiência pretende ampliar e qualificar o diálogo iniciado na noite de terça-feira, respeitando sempre a independência e neutralidade da cobertura e da liberdade editorial de cada veículo.

O encontro foi organizado pelo Sindicato, atendendo a anseios das duas partes. Compareceram editores e repórteres de O Tempo, Estado de Minas, Record Minas, Inconfidência, Portal Uai, Mídia Ninja e Brasil de Fato, e representantes dos blocos Então Brilha, Tchanzinho Zona Norte, Havayanas Usadas, Me Beija que Sou Pagodeiro, Fala Tambor, Chama o Síndico, Vemkemké e Juventude Bronzeada.

“A retomada do carnaval de rua em Belo Horizonte envolveu a explosão de público e da diversidade entre as centenas de blocos e outras iniciativas que acontecem nesse período”, disse o diretor de Cultura do Sindicato, Artênius Daniel. “O objetivo é construir um diálogo qualificado entre jornalistas e carnavalescos para potencializar as coisas positivas dessa festa, promover a sua dimensão humana, transformadora, social e cultural”, explicou.

Quem faz o carnaval? Quem cobre o carnaval? Quem publica o carnaval? Qual a influência do carnaval sobre a imprensa de BH? Qual influência da imprensa de BH sobre o carnaval? Quais os limites (editoriais, éticos, estéticos, pragmáticos) da cobertura? O que sai, como sai e porque sai Estas foram algumas das questões discutidas. Durante horas jornalistas e carnavalescos trocaram informações, debateram e demonstraram muita vontade de mexer nos assuntos discutidos. As conversas devem continuar – envolvendo também editores e chefias, segundo proposta apresentada no encontro – e contribuir para a qualidade da cobertura e do carnaval de Belo Horizonte.

Na foto, jornalistas e carnavalescos de Belo Horizonte durante encontro na Casa do Jornalista.

[9/2/17]

Veja também

Emissoras educativas mineiras migram da Rede Minas para a TV Cultura de SP

Emissoras de televisão educativas de Minas Gerais lideradas pela Associação Mineira de Rádio e Televisão ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *