Rede de apoio já recebe doações para ocupações de escolas em Minas Gerais

A Rede de Apoio às Ocupações em Defesa da Educação Pública, formada na sexta-feira 28/11, em ato realizado na Casa do Jornalista, já está recebendo e distribuindo doações para os estudantes que ocupam escolas públicas em Minas Gerais. A sede do Sindicato (Avenida Álvares Cabral, 400, Centro, Belo Horizonte) é um dos quatro pontos de doações. Os outros são: Sind-UTE Venda Nova (Rua Cascalheira, 75, sala 310), Sind-UTE Contagem (Rua Rodrigues Alves, 223) e Sind-UTE Floresta (Rua Ipiranga, 80).

As doações serão recebidas de segunda a sexta, de 9h as 18h. Algumas das escolas, universidades e institutos ocupados estão passando por reais necessidades de alimentação e os estudantes precisam de ajuda. As primeiras doações já foram entregues no Sindicato.

Ato de solidariedade

O ato de solidariedade às ocupações contou com a presença de mais de 150 pessoas, entre estudantes, professores, pais, sindicalistas, jornalistas e sociedade em geral. A presidenta da União Brasileira de Estudantes Secundaristas (UBES), Camila Lanes, que lidera o movimento, relatou que já são mais de 1.200 ocupações em todo o país e o número não para de crescer. O Paraná é o estado com maior número de ocupações (843), seguido de Minas Gerais. Uberlândia é a cidade mineira que tem mais escolas ocupadas: 26. A primeira ocupação em Belo Horizonte aconteceu na Escola Estadual Governador Milton Campos.

A presidenta da União Colegial de Minas Gerais (UCMG), Késsia Teixeira, disse que as ocupações são a forma encontrada pelos estudantes para resistir à ofensiva do golpe e lutar contra a PEC 241, que arrocha os gastos com educação durante 20 anos, e a reforma do ensino médio, feita por meio de Medida Provisória pelo governo federal. Ela afirmou que a Rede de Apoio às Ocupações é fundamental para que os estudantes continuem sua luta em defesa da educação pública.

A Rede de Apoio às Ocupações formou comissões de comunicação, estrutura e alimentação, oficinas, aulas e cultural, jurídica e segurança e saúde. Uma nova reunião das comissões está marcada para esta segunda-feira 31/10, às 19h, na Casa do Jornalista (Avenida Álvares Cabral, 400, Centro, Belo Horizonte).

As ações da Rede de Apoio e as atividades nas ocupações em defesa da educação pública podem ser acompanhadas em textos e vídeos na página da Frente Brasil Popular no Facebook: https://www.facebook.com/frentebrasilpopularmg/.

Outra escola

Nesta segunda-feira 31/10, Minas Gerais tinha 110 ocupações, oito delas ocorridas hoje. “O processo é muito rápido”, avaliou a vice-presidente estadual da UBES, Bruna Helena. Também é rápido o processo de aprendizagem que ocorre na vida e na cidadania destes jovens, quando decidem passar da simples frequência às aulas à ocupação.

“Quando o aluno ocupa a escola descobre que a escola é sua”, disse Bruna, que participou da ocupação do Estadual Central era diretora do grêmio da escola. “Quando a gente passa a morar na escola, conhece outra escola, vê como é difícil construir uma escola, manter a escola limpa, fazer comida, receber a comunidade”, explicou.

A ocupação de escolas por secundaristas brasileiros espelhou-se na ocupação de escolas no Chile, mas já a superou em número. “Já somos referência em ocupação de escolas no mundo”, informou a vice-presidente da UBES. As primeiras ocupações aconteceram em São Paulo, na chamada “Primavera Secundarista se São Paulo”, em 2015. A ocupação é considerada uma nova forma de expressão dos estudantes, que não é mais através de manifestações públicas e se expressa também em diversos tipos de ocupação de espaços públicos.

O processo é muito organizado e segue alguns padrões que se multiplicam por meio de redes sociais e servem de exemplo para todos. “É um processo espontâneo, por isso chamamos de primavera”, disse Bruna. “Os alunos de uma escola veem o que acontece em outra, ou veem na televisão, na internet. “A revolta dos pinguins”, filme sobre as ocupações no Chile, é um filme que inspira os estudantes. No Brasil, o documentário “Acabou a paz, isso aqui vai virar o Chile” está sendo visto por todos os secundaristas.

O processo começa com uma discussão na escola, continua com a convocação de uma assembleia e se instala definitivamente com a ocupação, que se organiza em grupos de trabalho e atividades. Os grupos são de: cozinha, limpeza, comunicação, programação e segurança. “O de segurança é o primeiro a ser formado, porque é preciso cuidar da segurança da escola e dos colegas”, informou Bruna. Entre as atividades estão seminários e aulões, com participação de professores.

Diálogo

Nesse processo acelerado e espontâneo, as lideranças da UBES têm hoje algumas preocupações principais, além das doações que mantêm as ocupações. Umas das é resistir aos ataques crescentes do MBL, que recruta jovens pelo Facebook e recorre à violência para desocupar escolas, inclusive com participação de jovens bem mais velhos. Outra preocupação é retomar o diálogo com o governo federal, interrompido pelo atual presidente.

“O governo federal ignora as ocupações, não dialoga”, disse Bruna. O diálogo é necessário inclusive para equacionar a realização do Enem. Os secundaristas querem que as provas sejam realizadas sem a paralisação do movimento, a exemplo do que aconteceu na eleição deste domingo 30/10, quando passado os eleitores votaram em escolas que estavam ocupadas. “Muitos inclusive levaram doações para os estudantes e foram conhecer as ocupações”, contou a vice-presidente da UBES.

 

Na foto do alto, o ato de solidariedade; na foto abaixo, as primeiras doações entregues no Sindicato.

16-10-31-doacoes-para-ocupacoes-baixa

31/10/16

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Um comentário

  1. Marta Procópio de Oliveira

    Vou apoiar vcs.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *