Jornais e revistas: proposta patronal significa perda de todo o ganho real conquistado desde 2007

A proposta de reajuste salarial apresentada pelo sindicato patronal abaixo da inflação somada ao reajuste com perda real da negociação do ano passado significa a perda de todo o ganho real acumulado pela categoria entre 2007 e 2014. Mais que isso: a proposta de 4% sem retroativo impõe uma perda real (depois de descontada a inflação do período) acumulada de 3,9% no período de 2007 a 2016.

No ano passado, o reajuste negociado com o sindicato patronal foi escalonado em três fases, sendo que apenas na última o percentual era equivalente à inflação do período. Ao se calcular a média do reajuste, o ganho foi de 5,85%. Portanto, 2,57% abaixo da inflação (INPC) encerrada na data-base da categoria – abril. Ou seja, a categoria teve perda real de 2,57% no período.

Neste ano, a proposta é ainda mais agressiva. Depois da retirada da pauta-bomba, os patrões ofereceram 4% de reajuste, mas sem o retroativo. Isso significa que o aumento seria válido somente a partir do mês seguinte ao acordo. No caso, a partir de outubro. Como a data-base dos jornalistas é abril, no período entre abril e setembro os salários teriam sido congelados. Assim, o reajuste real da categoria seria de apenas 2% em 2016 (0% para os seis primeiros meses e 4% para os seis meses finais).

Em anos anteriores, mesmo com forte crescimento da economia brasileira, o ganho real da categoria nunca ultrapassou a marca de 2%. O maior ganho verificado (veja tabela) se deu em 2007, com 1,56% acima da inflação.

Para que o salário da categoria seja reajustado de acordo com a inflação acumulada em 10 anos, o percentual de reajuste da negociação desse ano precisa ser de no mínimo 5,9%, abaixo disso a categoria terá tido perda real na última década. Ou seja, 5,9% com retroativo garantiria o 0 a 0 com a inflação.

O reajuste de 5,9%, no entanto, ainda está muito abaixo da inflação verificada no período que se encerra na data-base da categoria, que foi de 9,91%. Ou seja, para garantir o equilíbrio da conta neste ano, o reajuste dos jornalistas mineiros precisa ser superior a 9,91%.

Ano Reajuste dos jornalistas INPC Variação real (reajuste – INPC) PIB
2016 2%** 9,91% -7,91% *
2015 5,85%* 8,42% -2,57% -3,80%
2014 7% 5,61% 1,39% 0,10%
2013 7,22% 7,22% 0,00% 2,30%
2012 6% 4,97% 1,03% 0,90%
2011 7% 6,30% 0,70% 3,90%
2010 6% 5,30% 0,70% 7,50%
2009 5,92% 5,82% 0,10% -0,20%
2008 7% 5,90% 1,10% 5,10%
2007 5% 3,44% 1,56% 6%

 

* O reajuste firmado em 2015 foi escalonado em três fases. A média dos reajustes garantiu reajuste de 5,85% para os jornalistas no período

** A proposta de 4% do Sindicato Patronal sem pagamento do retroativo garantiria reajuste médio de apenas 2% em 2016, se considerado que o percentual for aceito e entre em vigor em outubro

Veja também

SJPMG e Fenaj repudiam agressões a repórter da TV Integração em Prata (MG)

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais e a Federação Nacional dos Jornalistas vêm ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *