SP: ato contra censura vira manifestação em defesa da democracia

O que seria um ato contra a tentativa da Rede Globo de Televisão de censurar blogs e mídias alternativas, realizado na noite de segunda-feira 7/3 no auditório Vladimir Herzog, no Sindicato dos Jornalistas Profissionais no estado de São Paulo, transformou-se em uma manifestação em defesa da democracia, da liberdade de imprensa e contra o golpismo.

A atividade, organizada pelo Centro de Estudos de Mídia Alternativa Barão de Itararé  e que lotou o auditório da entidade, teve a presença dos principais nomes da blogosfera, mas também de respeitados parlamentares como os senadores Lindbergh Faria (PT/RJ), Roberto Requião (PMDB/PR) e os deputados federais Paulo Pimenta (PT/RS) e Jandira Feghali (PCdoB-RJ), além do jurista Marcelo Lavenère e a dirigente da CUT e do FNDC, Rosane Bertotti.

O presidente do Sindicato, Paulo Zocchi, reafirmou que a categoria se sente honrada em receber a manifestação no auditório Vladimir Herzog, que há 40 anos é um espaço para a luta democrática e que o país vive um momento político muito grave, com ataques ao mandato legítimo da presidenta Dilma Rousseff e ao ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva.

“O que eles pretendem é a abertura do pré-sal para as multinacionais”, avalia Zocchi. “Mas eles querem também liquidar com o patrimônio público,  com a Previdência Social, além de desmantelar os direitos trabalhistas. O Sindicato tem o dever de defender os jornalistas e se coloca contrário ao monopólio dos meios de comunicação, pois ele é prejudicial ao mercado de trabalho. A Rede Globo, que conduz a bancada patronal, – e estamos em plena campanha salarial – oferece um reajuste de 6% contra uma inflação de 11% e faz uma exploração feroz sobre o trabalho dos jornalistas. O Sindicato enfrenta diariamente o poder econômico da Rede Globo. Por isso, a diretoria do Sindicato é contra qualquer tipo de censura e defende a liberdade de expressão”, diz ele.

O secretário geral da Fenaj, José Augusto Camargo (Guto), também analisou o grave momento político que o Brasil atravessa. “Eles fazem um movimento orquestrado para atacar os fundamentos da democracia. É um ataque à soberania nacional. O Sindicato dos Jornalistas e a Fenaj estão lado a lado com o movimento social para resistir ao golpe e consolidar a democracia.”

Nas ruas contra o golpe

Os participantes avaliaram também que a mobilização popular nas ruas é a principal arma para defender a democracia, contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff e os abusos da Operação Lava Jato sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“Estou muito preocupada, porque não acho que o cerco vá diminuir. Na sexta-feira (4), a Folha de S. Paulo já estava em São Bernardo do Campo antes de a polícia chegar”, afirmou a deputada federal Jandira Feghali, em referência à ação coercitiva contra o ex-presidente Lula. “Na edição do Jornal Nacional de quinta-feira (3/3) já estava nítido que ia acontecer alguma coisa. Nós precisamos botar muito mais gente nas ruas. Precisamos ter o mundo cultural. Vocês são fundamentais para produzir opinião para disputar essa narrativa”, afirmou.

“Temos de mobilizar todos os que têm o Brasil no coração para quebrar a hegemonia da direita. Temos de sustentar com mobilização e pressão nas ruas”, disse o senador Requião. Ele destacou que há “alguma coisa no ar além dos direitos inscritos na Constituição, que foram arrasados na prisão desnecessária do companheiro Lula”, e identificou a questão de base da luta política como um ataque no mundo pelo domínio de Mamon – palavra de origem hebraica que representa o poder do dinheiro.

“A pressão pela privatização do petróleo vem dos países ricos e fortes que querem o domínio das reservas. As Sete Irmãs (empresas que detêm o monopólio do petróleo no mundo) não vão investir sem essa pressão. Depois que os Estados Unidos inventaram o shale gas (gás de xisto), isso ocorreu na busca do domínio das reservas. O petróleo não é só o combustível que move 95% dos transportes no mundo, mas tem mais de 3 mil derivados, que influenciam a indústria”, afirmou Requião.

Para o senador, a alternativa de direita só deixa ao Brasil a privatização e a globalização “por tolice ou entreguismo comprado”. O senador lembrou o caso do WikiLeaks, que denuncia conversa do senador José Serra (PSDB-SP) com executivos da Chevron, assumindo o compromisso de entregar o pré-sal. E também não se poupou de criticar a mídia tradicional: “O que nós vemos é a imprensa fazendo a crítica da Petrobras, e não dos ladrões da Petrobras. O que querem é entregar a Petrobras a um dos sete bandidos, das Sete Irmãs”, afirmou. “A mídia é instrumento de precarização do Estado, do Congresso e das leis trabalhistas.”

Marcelo Lavenère, que era o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) na época do impeachment do ex-presidente Fernando Collor, pediu desculpas e disse estar com vergonha com a violação da Constituição, da Democracia e da Ordem Política do país de alguns setores do Judiciário.

O jurista lembrou que o único capítulo da Constituição que não foi regulamentado foi o da Comunicação Social. “Desde 1988 não consegue se regulamentar uma linha. Não queremos censura, nós queremos uma comunicação social aberta, plural e não propriedade cruzada e não o monopólio”, destacou.

Lindbergh Farias se disse preocupado com os efeitos da crise política na economia do país. “Nós temos uma recessão de 3,8% (desempenho negativo do PIB no ano passado), e não sou eu que estou dizendo, mas as consultorias, de que perto de dois pontos percentuais desse recuo estão ligados à Operação Lava Jato”, afirmou.

“Quero que investigue tudo, nós não somos contra a investigação, mas têm de ser investigações sóbrias”, continuou o senador. “Agora, do jeito que estão fazendo, nesse espetáculo junto com a Rede Globo e a revista Veja, essa associação com setores do aparato do Estado, o Ministério Público, a Polícia Federal, o Judiciário, estão ferindo o Estado democrático de direito, o que eles querem é a restauração do neoliberalismo”, acrescentou Lindbergh.

A secretária de Formação da CUT e coordenadora do Fórum Nacional Pela Democratização da Comunicação (FNDC), Rosane Bertotti, também convocou as ruas para a defesa da democracia e da soberania do país. “Nós precisamos construir uma grande força-tarefa, porque para enfrentar esse monopólio da Globo temos de ir para a rua sim, mas nós também temos de usar da ferramenta jurídica, temos de olhar cada publicação que eles fizerem que for mentira, e temos de denunciar e ir para a Justiça também”, afirmou Rosane, que defendeu a composição de um coletivo de parceiros para prestar assessoria jurídica.

Manifestações

Os participantes estão chamando uma manifestação para o próximo dia 13, na Praça Roosevelt, no centro de São Paulo, denominada “Sem Medo de Ser Feliz” e também na frente da Rede Globo em São Paulo.

(Publicado no saite do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de São Paulo, em 8/3/16. Crédito da foto: Cadu Basilevski.)

 

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *