Edição ampliada de “Lamarca, o capitão da guerrilha” será lançada em BH nesta 2ª

No próximo dia 17 de agosto, segunda-feira, às 19h, os jornalistas baianos Oldack de Miranda e Emiliano José autografam, na sede do Sindicato dos Jornalistas de Minas Gerais, em Belo Horizonte, a 17ª edição revista e ampliada do livro “Lamarca, o capitão da guerrilha” (Global Editora). Os autores atualizam a obra com descobertas de documentos que foram ocorrendo desde 1980, ano em que foi lançada a primeira edição. Na edição atual eles acrescentaram um posfácio resumindo o que aconteceu na região da Bahia em que o militar foi cercado e assassinado pelo Exército Brasileiro.

Segundo Oldack de Miranda, a obra já serviu de base para o roteiro de dois filmes. O primeiro – Portas de Fogo – do cineasta Edgard Navarro, demorou a vir a público. Na primeira tentativa, em 1984, nos estertores da ditadura militar, a Polícia Federal impediu à força a pré-estreia no Cine Guarani, em Salvador. O fime só foi liberado com o advento da Nova República, em 1985. O segundo filme foi Lamarca, longa-metragem de Sérgio Rezende, concluído em 1994, com Carla Camuratti, Paulo Betti e José de Abreu. À época, o militar Nilton Cerqueira, que executou Lamarca, tentou impedir na Justiça a exibição do filme. Não obteve êxito.

Ao longo dos anos, as edições foram sendo enriquecidas. Na edição de 2004 foi possível, por exemplo, revelar com mais detalhes a cirurgia plástica a que o capitão revolucionário se submeteu. Em 1999, uma reportagem da jornalista Luiza Villaméa, na revista IstoÉ, permitiu reconstituir a ação de seqüestro do cofre do Adhemar de Barros. O livro de Judith Lieblich Patarra intitulado Iara, reportagem biográfica resgatou os passos da companheira de Lamarca, na Bahia. Até então, a versão aceita era a do suicídio da revolucionária, durante cerco policial-militar em Salvador. Nesta 17ª edição afirmamos com segurança e com base em farta documentação que Iara Iavelberg foi assassinada”, comenta Emiliano José.

FONTE DE PESQUISA – Os autores incorporaram as descobertas da Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos referentes ao assassinato do capitão Carlos Lamarca, no sertão da Bahia. Num grande esforço de reportagem, o jornalista Bernardino Furtado, do jornal O Globo, conseguiu localizar o laudo do Instituto Médico Legal Nina Rodrigues, da Bahia. Isso aconteceu em 1996, portanto, o documento ficou guardado a sete chaves durante 25 anos. O livro Lamarca, o capitão da guerrilha foi se tornando fonte de pesquisa sobre o ciclo militar nas escolas brasileiras. Quando o golpe militar de 1964 completou 50 anos, em 1º de abril de 2014, percebemos a importância de uma nova edição revista e ampliada, diante da intensa curiosidade dos estudantes”, explicou o jornalista Oldack de Miranda.

O autor da nova capa é o mesmo artista gráfico Elifas Andreato. Na primeira edição, mesmo correndo riscos, pois ainda estávamos sob ditadura militar, o artista recriou a foto do capitão Lamarca, dando um toque de tristeza no semblante do guerrilheiro. Agora, para a 17ª edição, Andreato produziu uma obra de arte: um homem com um manto vermelho, quepe verde-oliva na cabeça, acolhendo a bandeira nacional, como se estivesse plantando uma semente de esperança no solo árido do sertão. Por último, inserimos um posfácio, desenhando em traços largos o que aconteceu nas décadas posteriores ao cerco e morte de Lamarca na região de Brotas”, finalizou o jornalista.

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *