Mais agressões a jornalistas são registradas no Mato Grosso e em Campinas

As agressões a profissionais de imprensa marcaram também no mês de junho o cotidiano jornalístico brasileiro. No dia 25, o Sindicato dos Jornalistas do Mato Grosso denunciou a agressão verbal e prisão da jornalista Ana Sampaio por um policial militar. Já no dia 29, o jornalista Valério Paiva foi vítima de agressão física e ameaça na Câmara Municipal de Campinas.

Segundo nota do Sindicato dos Jornalistas do Mato Grosso, Ana Sampaio foi agredida verbalmente pelo policial identificado como cabo Júlio, quando questionou a abordagem violenta contra um rapaz em uma moto. Ela se identificou jornalista e mostrou interesse em noticiar o fato, mas foi impedida e detida sob a acusação de atrapalhar o trabalho da polícia.

Ana Sampaio declarou ter recebido, na viatura policial, uma série de xingamentos, acusações e ameaças de que seria exposta junto aos seus colegas da imprensa. O policial lavrou um boletim de ocorrência com relatos que não aconteceram, fotografou a jornalista ao lado do motociclista detido e distribuiu a foto para seus contatos de mídias sociais, inclusive para alguns veículos de comunicação.

O Sindicato mato-grossense criticou também outro atentado contra a profissão e a ética: o veículo Repórter MT divulgou nota sensacionalista expondo a jornalista, mesmo sem citar o nome dela. A nota tomava como fatos todas as acusações divulgadas pelo policial, sem apurá-las. Diante da indignação da categoria, o veículo elaborou nova matéria, narrando a versão de Ana Sampaio.

O Sindjor-MT repudiou a atitude do policial e a produção, por parte da Imprensa, de materiais jornalísticos sem apuração e sem a preocupação ao expor a pessoa humana, podendo causar danos materiais e morais.

Uma sindicância foi instaurada pela PM para averiguar a atitude do policial.

Em Campinas, no dia 29 de junho, o jornalista Valério Paiva foi agredido fisicamente e ameaçado quando cobria a votação da Proposta de Emenda à Lei Orgânica Municipal (Pelom 145/15), que pretende impedir na cidade a discussão de qualquer proposta legislativa sobre política de ensino com tendência a aplicar “a ideologia de gênero”, os termos “gênero” e “orientação sexual” , de autoria do vereador Campos Filho (DEM).

Ao ouvir que Rodrigo Pavani, apoiador da emenda, havia rasgado uma bandeira do movimento LGBT, Paiva, que estava devidamente credenciado, aproximou-se com sua câmera e foi empurrado com força por Pavani, que ameaçou quebrar a máquina. O jornalista foi detido por um guarda municipal. Valério chegou a ir à delegacia, mas, como não se machucou nem teve o equipamento danificado, decidiu não registrar a queixa.

 

*Com informações do Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso e do Coletivo de Jornalistas de Campinas e Região

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *