Ação patronal aprova convenção rebaixada para jornalistas de rádio e TV no Rio de Janeiro

A ação das empresas de rádio e TV no Rio de Janeiro levou à aprovação de um acordo salarial para segmento que rebaixa o piso salarial, concede reajuste abaixo da inflação atual e, ainda por cima, prevê pagamento parcelado do retroativo. A manobra não se repetiu na votação do segmento de jornais e revistas, que rejeitou a proposta dos patrões e vai continuar em negociação.

De acordo com o site do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro, a proposta para a convenção coletiva de 2015 de rádio e TV foi aprovada em votação apertada – com apenas onze votos de diferença. O grupo que votou de acordo com a vontade dos patrões o fez sob falsas ameaças de que teriam salários cortados em até 30% e que não receberiam parcela da participação de lucros paga pela Rede Globo.

A decisão poderá fazer com que os jornalistas deste segmento tenham reajuste de 7,13%, cujo retroativo a fevereiro poderá ser parcelado em até quatro vezes, dependendo do número de profissionais empregados na empresa. Foi referendado piso de R$ 1.446,25 (rádio) e R$ 1.606,95 (TV) – respectivamente R$ 986,47 e R$ 825,77 abaixo do piso estadual, que é de R$ 2.432,72. A CLT prevê que valor fixado em convenção coletiva prevalece sobre o da lei regional, ainda que seja menor.

Os profissionais de jornais e revistas, por sua vez, rejeitaram a ofensiva patronal. Eles não se sentiram contemplados pelas propostas das empresas e decidiram pela continuidade das negociações. Foi aprovado destaque para que o Sindicato não fique autorizado a negociar piso salarial na convenção. O recurso vai impedir que os patrões desse segmento pressionem por um valor abaixo do que foi sancionado pela Assembleia Legislativa em maio.

Uma das propostas patronais de jornais e revistas rejeitadas ontem fixava a correção dos salários em 7,13%, relativo ao INPC, mas com piso de R$ 1.550 para jornadas de cinco horas – valor R$ 932,72 inferior ao piso regional. A outra, também rejeitada, previa reajuste de 7,13% para quem ganha até R$ 5.000 e R$ 356,50 para os salários superiores. Por essa alternativa, valeria o piso regional. O reajuste retroativo a fevereiro seria pago em parcelas nas duas alternativas.

Rede Globo manda jornalistas para assembleia em carros de reportagem

Essa foi a oitava assembleia da campanha salarial 2015. Realizada em duas sessões, uma na sede do Sindicato e outra no Bar Enchendo Linguiça da Lapa, foi a que reuniu o maior número de jornalistas: 229. Ficou evidente a ação das empresas para dividir os trabalhadores para que votassem contra si e em benefício dos patrões – o que será denunciado ao Ministério Público do Trabalho.

Editores e chefes da Rede Globo circulavam com desenvoltura entre os jornalistas da emissora, ordenando – no pior estilo ‘voto de cabresto’ – em quais propostas os profissionais deveriam ser favoráveis ou contrários. A Rede Globo conduziu os jornalistas à assembleia da noite em seus carros de reportagem.

A manobra, no entanto, ficou evidente e gerou forte resistência dos jornalistas que, junto ao Sindicato, desejavam uma discussão mais aprofundada das cláusulas em busca de um acordo mais vantajoso para os trabalhadores. Se, na primeira sessão, o grupo da TV Globo conseguiu passar o trator e votar todas as propostas em bloco, à noite essa tentativa foi abortada por resistência dos demais, e numerosos, jornalistas presentes.

Nas redes sociais, a aprovação do acordo rebaixado gerou indignação e incredulidade. Jornalistas articulam mobilização para tentar barrar o resultado da votação de rádio e TV.

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *